A yield dos Eurobonds emitidos por Angola reduziu em 5,8p.b. (pontos base) desde que a OPEP chegou a acordo. A yield corresponde ao rendimento médio exigido pelos investidores, o que significa que existe a percepção de que a cotação do petróleo bruto subirá

O rendimento médio exigido pelos investidores, yield, por títulos da dívida pública emitidos por Angola no exterior e em moeda estrangeira, Eurobonds, fixou-se em 10,647% nas primeiras horas da manhã de hoje, uma redução de 5,8p.b em relação à yield exigida aos 30 de Novembro, dia em que foi finalizado o acordo da OPEP.

A redução da taxa poderá reflectir o optimismo dos investidores em relação à cotação internacional do crude e o seu consequente impacto na economia angolana, tendo em consideração que o mesmo representa cerca de 91,6% das exportações do país, segundo o relatório sobre o Comércio Externo referente ao primeiro trimestre de 2016 divulgado pelo INE.

O sector mineiro de Angola beneficiará da exploração de fosfatos e outros minerais como o ouro, num projecto a ser implementado em Cabinda a partir de 2019. O projecto, que será desenvolvido após a assinatura do acordo de parceria entre Angola e o Sudão do Sul a 22 de Novembro do ano corrente, no domínio da exploração mineira, contribuirá para que se alcance a perspectiva de 0,5% de crescimento para o sector previsto no OGE 2017.

Espaço Internacional

Na Rússia, a taxa de inflação homóloga fixou-se abaixo das expectativas em Novembro. Com efeito, a taxa de inflação homóloga, medida pela variação anual do Índice de Preços ao Consumidor (IPC), estabeleceu-se em 5,8% em Novembro, inferior ao registo de 6,1% do mês anterior e aos 5,9% referentes à expectativa dos analistas, apesar da taxa de inflação mensal se ter mantido em 0,4% nos meses supracitados.

O crescimento do IPC registado em Novembro, reflecte a decisão do Banco Central russo de manter a taxa de juro de referência em 10% desde Setembro, medida que tem estimulado o consumo e o investimento.

Na África do Sul, o Produto Interno Bruto cresceu 0,2% durante o terceiro trimestre de 2016. Apesar do aumento, este valor reflecte uma desaceleração na economia do país, quando comparada com o crescimento revisto de 3,5%. A contracção da produção industrial, bem como do nível de investimento, devido à instabilidade política no país, contribuiu para a desaceleração económica.

Destaques da Agenda

Económica Na agenda económica para esta Quarta-feira o research do Atlantico destacou a divulgação, na Alemanha, da produção industrial de Outubro, esperando-se um aumento de 0,8% face ao mês anterior. Em Itália, foi realçada a divulgação da taxa de desemprego referente ao terceiro trimestre de 2016, esperando- se que se fixasse em 11,6%.

 

Comentários

comentários