O excedente da balança comercial aumentou entre o primeiro e o segundo trimestre devido a um aumento de 40,5% nas exportações, com o petróleo a representar mais de 90% dos produtos expedidos.

A balança comercial registou durante o II trimestre do ano de 2016, um superávit de cerca de 692.726 milhões KZ, representando um aumento de 68,3% face o trimestre anterior em que o valor foi de aproximadamente 411.590 milhões KZ. O ganho registado foi sustentado pelo aumento em 40,5% das exportações no período em análise, sendo o combustível o produto mais exportado (91,2%) e o principal parceiro a Chi-na (35,1%). Numa comparação ano-a-ano o superávit ascendeu em 27,3%.

As receitas petrolíferas registaram incremento de 126% na análise homóloga de Novembro. As receitas petrolíferas fixaram- se em 133,3 mil milhões KZ em Novembro de 2016, nível superior em 126,7% ao registo de 58,8 mil milhões KZ referente ao mesmo período de 2015. O resultado das receitas que na variação mensal representa um incremento de 13,15% em relação ao montante de 117,8 mil milhões KZ apurado em Outubro de 2016, representa o aumento do preço em 1% para 46,11 USD/ barril e da quantidade exportada em 8,5% para 51,3 milhões de barris.

O montante de divisas disponibilizado pelo BNA contraiu 30% durante a primeira semana do ano. O BNA realizou vendas de divisas durante a primeira semana do ano no montante de 285,3 milhões EUR, uma contracção de cerca de 30% face ao valor disponibilizado na última semana do ano de 2016 de 407,4 milhões EUR. A queda ocorreu também nas transacções de cedência de liquidez no mercado interbancário que contraiu cerca de 55%, sendo que no período em análise o montante foi de 38,7 mil milhões KZ contra os 85,8 mil milhões registados na semana anterior.

Espaço Internacional

Na Alemanha a produção industrial aumentou 0,4% durante o mês de Novembro, após ter registado um aumento de 0,5% no mês de Outubro, impulsionado pelo aumento de 1,5% na construção e 0,4% na fabricação de bens intermediários, mostrando o rápido crescimento da maior economia da Europa.

As estimativas previam um crescimento de 0,6%. Na Zona Euro a taxa de desemprego referente ao mês de Novembro manteve-se inalterada, fixando-se em 9,8% coincidindo com as estimativas, no entanto o nível registado é o mais baixo dos últimos sete anos. A queda no desemprego e o aumento da confiança económica são sinais de que as empresas e famílias esperam que a economia recupere apesar da incerteza sobre o impacto do Brexit.

Comentários

comentários