O Governo provincial do Kuanza- Norte assinou ontem, Quinta-feira, no Dondo, município de Cambambe, um acordo de cooperação com a empresa Odebrecht, no domínio da conservação e preservação do património cultural.

O referido protocolo tem como objectivo a restauração dos sítios e monumentos culturais existentes na vila residencial da Barragem de Cambambe, tendo sido rubricado pelo director provincial da cultura, David Buba, pelo governo local, e pela Odebrecht o seu director de contratos, Gustavo Belitardo.

Não foi especificado o prazo de vigência do referido acordo. Na ocasião, o director de contratos da Odebrecht, Gustavo Belitardo, referiu que o aludido acordo representa o contributo da empresa no quadro das acções sociais que tem vindo a desenvolver, no âmbito do projecto em curso de reabilitação e modernização da Barragem Hidroeléctrica de Cambambe.

Testemunharam a cerimónia, decorrida no local que alberga a 5ª Feira do Artesanato do Dondo, o secretário de Estado da Cultura, Cornélio Calei, e o governador do Kuanza-Norte, Henrique André Júnior. A província do Kuanza-Norte possui oito monumentos reconhecidos pelo Comité Internacional dos Monumentos e Sítios, todos localizados no município de Cambambe.

A degradação destes monumentos e sítios tem sido a grande preocupação das autoridades da província, constando entre os monumentos mais conhecidos as Fortalezas de Massanagano e Cambambe, a câmara municipal, área residencial da barragem de Cambambe, bem como as igrejas da Nossa Senhora do Rosário e da Vitória, erguidas no século XVI.

Entre os monumentos existentes no município de Cambambe constam ainda as ruínas do Tribunal de Reclusão situado em Massangano, a fábrica de fundição de ferro de Nova Oeiras, erguida no país durante o século VIII, assim como o Cruzeiro e a moradia “Casa dos Bentes”, esta última demolida completamente e construída em seu lugar um novo edifício com características arquitectónicas semelhantes. Nela funciona actualmente o Tribunal Municipal de Cambambe.

Todos estes locais enfrentam o drama da destruição provocada, por um lado, pela acção do tempo e de efeitos naturais e, por outro, pelos interesses particulares do próprio homem, cuja acção atenta contra a sua integridade arquitectónica e histórica.

Comentários

comentários