O Banco Nacional de Angola (BNA) aumentou as taxas de juro, tanto a taxa de referência (a Taxa Básica BNA) como as taxas interbancárias.

A Taxa Básica BNA aumenta em dois pontos percentuais, de 14% para 16% ao ano. A taxa de juro de facilidade permanente de liquidez (com que os bancos comerciais se financiam no banco central) aumenta em quatro pontos percentuais, de 16% para 20% ao ano. A Taxa de Juro de Facilidade Permanente de Absorção de Liquidez a sete dias cresce cinco pontos percentuais, passando de 2,25% para 7,25% ao ano.

Já em Março o BNA havia aumentado a sua taxa de referência em dois pontos percentuais.

Estes aumentos nos juros foram decididos na sequência da análise que o Comité de Política Monetária (CPM) do banco central, reunido ontem, 30 de Junho, faz da evolução da economia angolana e da economia internacional, com realce para o andamento da inflação interna. O CPM constata, ‘com preocupação, a persistência da inflação mensal (medida pelo Índice de Preços no Consumidor de Luanda) à volta de 3%’.

‘O aumento das taxas de juro directoras do Banco Nacional de Angola tem como objectivo sinalizar a economia relativamente à remuneração de activos e passivos, com realce para o incentivo à poupança’, assinala o comunicado do CPM do banco central.

Para o BNA a escassez de divisas, afectando ‘severamente e de forma negativa a oferta de bens e serviços no mercado interno’, está na base do aumento acentuado do nível geral de preços.

Com a subida das taxas de juro o BNA torna a política monetária ainda mais restritiva, secando a liquidez em excesso (denominada em kwanzas) na economia.

A repercussão da falta de divisas na economia está a afectar profundamente o normal funcionamento desta e a sociedade no seu conjunto. OPAÍS sabe que outras medidas poderão ser tomadas e continuará a acompanhar a conjuntura económica (notícia em desenvolvimento)

Comentários

comentários