O ex-Presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, foi  detido esta Sexta-feira pela Polícia Federal em sua casa, em São Bernardo do Campo, nos arredores de S.Paulo, e levado para o aeroporto de Congonhas, também em S.Paulo, a fim de prestar depoimentos no contexto da operação ‘Lava Jato’.

A operação ‘Lava Jato’ incide sobre alegados crimes de corrupção e lavagem de dinheiro relacionados com desvios da petrolífera estatal brasileira Petrobras.

Para além de Lula da Silva foi ainda detido o presidente do Instituto com o seu nome, Paulo Okamato.
Ao todo foram emitidos 44 mandados judiciais, 33 de buscas e 11 de detenção.

Esta fase da operação, baptizada de ‘Aletheia’ (que em grego significa ‘busca da verdade’), encontra-se a ser realizada por 200 polícias federais e trinta auditores da Receita Federal.

De acordo com um extenso comunicado oficial emitido pelo Ministério Público Federal ‘há evidências de que o ex-Presidente Lula recebeu valores oriundos do esquema Petrobras por meio da destinação e reforma de um apartamento triplex e de um sítio em Atibaia, da entrega de móveis de luxo nos dois imóveis e da armazenagem de bens por transportadora. Também são apurados pagamentos ao ex-Presidente, feitos por empresas investigadas na Lava Jato, a título de supostas doações e palestras’.
Após referir-se ao ‘grande esquema’ de desvio de dinheiro da Petrobras em benefício de empresas ‘que enriqueciam à custa dos cofres federais’, o comunicado adianta que aquele era ‘coordenado a partir das cúpulas e lideranças dos partidos políticos que compunham a base do governo federal, especialmente o Partido dos Trabalhadores, o Partido Progressista e o Partido do Movimento Democrático Brasileiro. O ex-Presidente Lula, além de líder partidário, era o responsável final pela decisão de quem seriam os diretores da Petrobras e foi um dos principais beneficiários dos delitos’.

A notícia de que o Presidente que tirou o Brasil da pobreza e o conduziu à prosperidade económico fora detido apanhou, na manhã desta Sexta-feira, os brasileiros de surpresa.

Lula da Silva prestou depoimento durante cerca de três horas na sede da Polícia Federal no aeroporto de Congonhas, seguindo depois para a sede nacional do seu partido, onde falou aos militantes do PT (Partido dos Trabalhadores). ‘Não devo e não temo’, disse, num breve excerto gravado por telemóvel e divulgado na Internet, em que critica a actuação do juiz Sergio Moro, que comanda a Lava Jato, e o Ministério Público.

Comentários

comentários