O presidente do MPLA, José Eduardo dos Santos, afirmou hoje na abertura do congresso do partido que governa o país, que já foi recomendado por diversas vezes ao Banco Nacional de Angola (BNA) que resolva o problema das divisas que está a afectar a actividade económica e praticamente todos os sectores da vida nacional. José Eduardo dos Santos sublinhou que o BNA é uma instituição autónoma que não faz parte do Executivo. Nas palavras do presidente do MPLA, já foi recomendado ao BNA ‘que trate desta matéria com urgência, tendo em vista melhor proteger os interesses da República’.

O presidente do MPLA referiu que o valor mensal, da ordem de USD 300 milhões, que o país obtém da venda de divisas pelas empresas petrolíferas estrangeiras para obterem kwanzas estão aquém das reais necessidades do país, precisando que o valor é ‘insuficiente para as necessidades dos bancos e para o Orçamento Geral do Estado’.

José Eduardo dos Santos adiantou que face à ausência de regulamentos claros e eficientes na banca comercial quase todos preferem ter recursos no estrangeiro. Considerou ainda ser nos momentos mais difíceis e em períodos de crise que os quadros têm de ser mais criativos e dinâmicos, os directores e chefes mais capazes de exercer a sua liderança para convencer os funcionários e trabalhadores a realizar os objectivos traçados.

Recorde-se que esta semana o BNA sancionou sete bancos por atrasos na entrega de informações respeitantes à realização de operações cambiais com divisas que obtém junto do banco central. Os bancos reagiram à advertência do BNA respeitantes às lacunas na informação prestada sobre as operações cambiais solicitadas pelos clientes, reconhecendo secamente que incorreram em pequenos atrasos que se traduziram em multas insignificantes.

O Comité Central do MPLA encontra-se reunido na sua IV sessão extraordinária, no quadro da preparação do VII congresso do partido, marcado para Agosto.

 

 

Comentários

comentários