O candidato da CASA-CE a Presidente da República, Abel Chivukuvuku, prometeu Sexta-feira, em caso de vitória eleitoral a 23 de Agosto, distribuir de forma equitativa as riquezas do país, para combater as assimetrias regionais

Abel Chivukuvuku fez esta promessa durante um comício no Largo 1.º de Maio, no prosseguimento da campanha de “caça ao voto” que efectua desde Quartafeira no Leste. O líder da única coligação concorrente prometeu ainda potenciar economicamente cada província, com os recursos naturais que possuem, dinamizando a sua exploração, a fim de promover o empreendedorismo e a criação de postos de trabalho.

Na Lunda Sul, o político prometeu desenvolver os sectores da agricultura, turismo, pesca, mineiro, criando políticas de atracção para permitir que empresários nacionais e estrangeiros venham a investir na província. Prometeu ainda melhorar os sectores da saúde, educação, habitação, através da expansão de escolas e unidades sanitárias, colocando, deste modo, os serviços de saúde e de ensino mais perto dos cidadãos. “O nosso compromisso é fazer a mudança pacífica, ordeira, positiva, inclusiva e segura.

Queremos estar próximos do povo, não vamos discriminar ninguém no nosso governo. Por isso, meus irmãos, faltam poucos dias para exercermos o nosso dever de cidadania, votem em nós, porque vamos trabalhar, para que todos os angolanos vivam bem”, prometeu. CASA-CE defende campanha eleitoral sem “recordações tristes” Por outro lado, o vice-presidente da Coligação CASA-CE, Alexandre Sebastião André, condenou, Sexta-feira última, em Ndalatando, Cuanza Norte, a promoção de campanha eleitoral “com lembranças tristes que mancham a história do país”.

“Devemos nos centrar em propostas de governação que assegurem um melhor futuro para os angolanos”, disse o político da CASA-CE em conferência de imprensa, em Ndalatando. Alexandre Sebastião André disse que o surgimento da CASA-CE no panorama político nacional veio garantir um equilíbrio e propor novas mudanças para o país, sobretudo versadas na garantia da paz, reforço da reconciliação nacional e união entre os angolanos.

Comentários

comentários