O líder do “Galo Negro” reuniu-se ontem, em Luanda, com antigos combatentes da ELNA, FALA e FAPLA no complexo Sovismo, em Viana

O candidato da UNITA a Presidente da República, Isaías Samakuva, garantiu que o seu Governo Inclusivo e Participativo (GIP), a sair das eleições de 23 de Agosto, em caso de vitória, tem programas direccionados para resolver os problemas que afectam esta franja da sociedade.

O líder do maior partido na Oposição assegurou que o seu próximo governo, que será denominado GIP, vai aprovar leis claras para os antigos combatentes, rever a situação dos subsídios de pensão de reforma de modo a que todos possam receber sem excepção. Samakuva disse pretender criar escolas de artes e ofícios, para dar oportunidade aos antigos combatentes que ainda tenham força para desenvolver outras actividades, saindo da dependência exclusiva da pensão do Estado.

Segundo o lider do Galo Negro, consta do programa do GIP o ponto “Nossos Veteranos, Nossa Responsabilidade”, bem como medidas direccionadas especialmente a esta franja, no quadro da segurança social.

“Os antigos combatentes estão a ser abandonados pelo mesmo governo que eles ajudaram a construir”, frisou. Referiu também que muitos antigos combatentes não foram desmobilizados e que a pensão de 15 a 17 mil kwanzas que alguns auferem não ajuda para muita coisa tendo em conta o actual custo de vida.

Samakuva apelou aos presentes a mudança de mentalidades para se acabar com as divisões e lutar para que no dia 23 de Agosto possam ter um governo inclusivo e participativo. “Depois de tudo o que aconteceu, a UNITA não quer mais guerra. O nosso inimigo hoje é a malária, a má governação, a falta de emprego, falhas na saúde, educação e lixo”, garantiu.

Comentários

comentários