Paulo Kapela abraça os 70 anos com exposição no Espaço Luanda Arte

A mostra, com o sugestivo título “Luvuvamu + Nzola / Paz + Amor”, será inaugurada esta Sexta-feira,24, às 18 horas, no ELA – Espaço Luanda Arte, na baixa de Luanda

Por: Augusto Nunes

Sete quadros em técnica mista, uma instalação e o filme “O Renascimento”, realizado por Gretel Marín Palácio, compõem a exposição deste conceituado mestre da arte contemporânea.

A mostra, uma co-curadoria entre o autor e o crítico de arte Dominick Tanner, e que ficará patente ao público até 13 de Dezembro, foi elaborada em três meses. Paulo Kapela celebra também 52 anos de carreira artística. Em conversa com OPAÍS, o artista enalteceu a iniciativa da direcção do Espaço Luanda Arte, por organizar uma exposição em sua homenagem. Disse que o gesto o motiva a trabalhar mais, apesar da idade avançada.

Quanto ao seu 70º aniversário natalício, Kapela salientou que o momento representa para si algo muito especial, pois permite-lhe festejá-lo abraçado à arte.

Sobre o título da exposição: “Luvuvamu + Nzola”, termo em kikongo, que em português significa (Paz + Amor), é uma mensagem em prol da tolerância. Sobre as sete personagens retratadas na exposição, Kapela explicou que directa ou indirectamente influenciaram e continuam a influenciar as nossas vidas, cuja essência é igual em todos nós.

Crítica

Teresa Matos Pereira, professora e artista plástica, sobre a obra, referiu que os seus trabalhos apresentam uma materializaçãção, ao nível artístico e estético, de um fundo filosófico bantu onde o sagrado e o profano se interligam num plano vivencial.

E, acrescentou, esta obra expressa a contemporaneidade social, cultural e artística angolana, afirmando uma identidade individual, construída sobre diferentes estratos culturais, históricos, sociais e estético-artísticos, onde o nacionalismo, afrocentrismo, o cristianismo e o pós-modernismo se fundem. Para si, a dimensão polissêmica e performativa das obras de Kapela retratam a própria complexidade da sua vivência quotidiana e transfere-lhe para uma outra esfera (a de uma religiosidade em sentido mais abrangente).

Percurso do artista

Paulo Kapela nasceu em 1947, em Maquela do Zombo, província do Uíge. É autodidacta. Começou a pintar em 1960 na Escola Poto-Poto em Brazzaville, República do Congo. Desde 1989 a viver e a trabalhar em Luanda, Paulo Kapela expõe internacionalmente desde 1995, tendo participado em várias exposições: I Bienal de Joanesburgo de nome “Africus”, e “Africa Remix”, tendo viajado por Londres, Paris, Tóquio, entre demais cidades.

Em 2003 venceu o Prémio CICIBA (Centro Internacional de Civilizações Bantu), em Brazzaville. Em 2007 participou na exibição pictórica “Check List Luanda Pop” na 52ª Bienal de Veneza, Itália. Em 2009 a sua obra foi incluída na 2ª Trienal de Luanda, Angola e, tendo no mesmo ano, tomado parte da Exposição Colectiva “Luanda Smoth and Rave”, em França. Em 2013 a sua obra foi exibida na Exposição Colectiva entitulada “No Fly Zone”, no Museu Colecção Berardo, em Portugal. Em 2015 realizou a sua primeira exposição individual em Angola, de seu título “Kapela”, na Galeria Tamar Golan, em Luanda.