Oito presos na Venezuela após fuga de Ledezma

Oito pessoas foram detidas na Venezuela devido à fuga do prefeito de Caracas, o opositor António Ledezma, denunciou nesta Terça-feira a ONG Fórum Penal. “Até agora há oito pessoas detidas, que não foram apresentadas aos tribunais, como consequência da ‘fuga’ de António Ledezma”, revelou no Twitter Alfredo Romero, director da ONG.

O líder opositor deslocou-se a Madrid no Sábado passado, após escapar da prisão domiciliar que cumpria em Caracas desde 2015 e chegar à Colômbia pela cidade de Cúcuta, na fronteira. Ledezma, 62 anos, é acusado pelo governo de fazer parte de uma conspiração para derrubar o Presidente Nicolás Maduro.

Romero não identificou os oito detidos, mas a imprensa venezuelana noticiou que no grupo há funcionários municipais e agentes do serviço de inteligência. Em Espanha, Ledezma revelou ter fugido para a Colómbia graças à colaboração de militares venezuelanos e prometeu que não se sentirá livre “até que tenham saído das prisões todos os presos políticos” do seu país.

“Todas as instituições do mundo estão conscientes de que sofremos na Venezuela uma terrível tirania”, afirmou, acrescentando que o Governo socialista de Nicolás Maduro é cúmplice do tráfico de drogas e de desnutrição de mais de 300.000 crianças.