Itália manifesta disponibilidade nos negócios com Angola

O Presidente da República de Angola e o Chefe do Governo italiano pretendem que a cooperação económica entre os dois países não se restrinja aos sectores de Energia e Defesa, tendo João Lourenço garantido abertura para o investimento italiano em Angola em todos os domínios.

POR: Rila Berta

A Itália manifesta-se disponível em cooperar com Angola para o crescimento do investimento italiano no país. A garantia foi dada pelo presidente do Conselho de Ministros e Chefe do Governo italiano, Paolo Gentiloni, durante uma visita de 24 horas ao país.

Por sua vez, o Chefe de Estado angolano afirmou uma total abertura de Angola para aprofundamento da cooperação económica com a Itália em todos os domínios, uma vez que, até ao momento, tem-se verificado algum avanço, mas somente no domínio dos Petróleos e da Defesa.

“Pretendemos corrigir esta situação e estender a cooperação a outros sectores importantes das nossas economias”, declarou. O Presidente João Lourenço identificou áreas aonde é possível ampliar a cooperação, nomeadamente a agropecuária e a indústria. Destacou os acordos assinados, esta Segunda-feira, entre a concessionária angolana Sonangol e a companhia petrolífera estatal italiana ENI.

Entretanto, recomendou que, a nível ministerial, se dê mais importância a esta visita com o envio de delegações ministeriais a Roma, ou recebendo delegações ministeriais italianas em Luanda. O Presidente da República reconheceu também que a Itália tem uma economia forte, com pequenas e médias empresas, por isso apelou aos empresários italianos a “virem em força, investir naquilo que sabem fazer na economia angolana”.

João Lourenço recordou com satisfação o facto de ter sido recebido em Roma, em Julho deste ano, pelo Chefe do Governo italiano, na condição de candidato à Presidência da República.Agradeceu ao presidente do Conselho de Ministros pelo facto de ter sido o primeiro a efectuar uma visita de Estado desde que tomou posse enquanto Presidente da República.

Por seu turno, Paolo Gentiloni explicou que a escolha de Angola ,como a primeira etapa da sua visita à África Ocidental, não foi casual, respondendo às raízes que o Presidente João Lourenço recordou constarem nas relações entre os dois países. Recordou, de igual modo, a visita de João Lourenço a Roma. Afirmou que a sua vinda a Angola serviu para confirmar os laços de amizade entre Itália e Angola.

“Também é uma forma de confirmar o apoio do governo italiano a Angola e ao seu governo, num momento pós-eleições presidenciais e com um programa importante de renovação do país”, enunciou.