ONU condena ataque contra capacetes azuis na República Centroafricana

O Secretário-Geral (SG) da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, e o Conselho de Segurança (CS), condenaram energicamente o ataque do fim-de-semana passado contra um cortejo da Missão da ONU para a Manutenção na República Centroafricana e que causou um morto entre os capacete azuis egípcios e três feridos

“O Secretário-Geral apresentou as suas sentidas condolências às famílias enlutadas e ao Governo do Egipto. Ele desejou uma pronta cura aos feridos”, segundo o comunicado publicado pelo seu porta-voz adjunto, Farhan Haq, após o ataque ocorrido no eixo Bangassou-Kongbo, no sudeste do país. Este incidente eleva a 13 o número de capacetes azuis mortos na República Centroafricana desde janeiro de 2017.

O comunicado indica que o SG da ONU lembrou com firmeza que estas ofensivas perpetradas contra capacetes azuis são crimes de guerra. Exortou as autoridades do país a fazerem um inquérito com urgência para apurar os seus autores. Reafirmou a determinação da ONU em acelerar a execução do mandato da Missão Multidimensional Integrada de Estabilização das Nações Unidas na República Centro-africana (MINUSMA), recentemente renovado pelo CS, visando proteger os civis e contribuir para o progresso do processo político no país, acrescentou a nota.

Numa outra nota transmitida Segunda-feira à imprensa, o CS condenou “com veemência” o ataque. Às partes, reiterou que estes ataques poderão constituir crimes, ao abrigo do Direito Humanitário Internacional. O CS exortou o Governo centro- africano a realizar um inquérito rápido e julgar os autores destes crimes em tribunal.