ONU lamenta saída dos EUA do pacto global sobre migração

EUA anunciaram ontem que o país não pretende fazer parte do Pacto Mundial das Nações Unidas para os Migrantes e Refugiados. Administração Trump sustenta que é incompatível com a sua política migratória.

O presidente da Assembleia Geral das Nações Unidas, Miroslav Lajcák, lamentou ontem a decisão do Governo dos Estados Unidos de se desvincular do processo para adopção de um pacto global sobre migração segura, regular e ordenada, anunciou o porta-voz.

Na Declaração de Nova Iorque sobre Refugiados e Migrantes, todos os Estados-membros da ONU reconheceram que nenhum Estado pode gerir a migração internacional  por conta própria. Além disso, comprometeram-se a fortalecer as políticas globais de migração.

Para o efeito, os Estados-membros acordaram, ao mais alto nível, lançar um processo que conduzisse à adopção de um pacto global em 2018, recorda o porta-voz de Miroslav Lajcák em comunicado publicado na página da Assembleia Geral das Nações Unidas.

O papel dos Estados Unidos neste processo é crítico, pois tem recebido histórica e generosamente pessoas de todo o mundo e continua a ser a casa do maior número de migrantes no mundo, salienta o comunicado, sublinhando que este país tem a experiência e o conhecimento necessários para ajudar a “garantir que esse processo tenha bons resultados”.

“O presidente salienta que a migração é um fenómeno global que exige uma resposta global e que o multilateralismo continua a ser a melhor forma para enfrentar os desafios globais”, acentuou. Por isso, adianta ainda, as Nações Unidas precisam do “apoio de todos os Estados-membros para um consenso sobre esta questão complexa”.

Na opinião do presidente da Assembleia Geral, “as Nações Unidas não devem perder esta oportunidade de melhorar a vida de milhões de pessoas em todo o mundo”. Os Estados Unidos anunciaram ontem que o país não pretende fazer parte do Pacto Mundial das Nações Unidas para os Migrantes e Refugiados.

A Administração Trump considera que este acordo é incompatível com a política migratória pretendida por Washington. Depois do Acordo do Clima de Paris, do Acordo Nuclear do Irão e da UNESCO, a Administração Donald Trump prossegue com recuos em relação às organizações internacionais. A missão norte-americana na ONU anunciou que o país não fará parte do Pacto Mundial das Nações Unidas para os Migrantes e Refugiados.