Premiação: Filme de Pedro Pinho premiado no Festival de Cinema de Turim(Itália)

O filme “A fábrica de nada”, de Pedro Pinho, recebeu Sábado,2, no Festival de Cinema de Turim, em Itália, o prémio especial do júri, designado Prémio Fundação Sandretto Rebaudengo, o segundo mais importante do palmarés.

O júri do festival, presidido pelo realizador chileno Pablo Larrain, atribuiu o prémio de Melhor Filme a “Don’t forget me”, uma co-produção de Israel, França e Alemanha, dirigida por Ram Nehari, conforme a decisão anunciada Sábado à noite, na gala de encerramento.

O filme de Pedro Pinho foi igualmente distinguido com uma Menção Honrosa na competicão paralela ao festival, julgada por alunos de escolas superiores de cinema (Prémios Colaterais), por ter demonstrado que a chamada sétima arte “pode ser um instrumento activo na mudança” social. “A fábrica de nada” estreou-se em Maio no Festival de Cannes, onde venceu o prémio da crítica, a que se seguiu o prémio CineVision, em Junho, em Munique, para melhor novo filme.

Foi igualmente distinguido nos festivais Duhok, no Iraque, e Miskolc, na Hungria, e seleccionado para os festivais de Londres, Toronto e Jerusalém. O vencedor do principal prémio de Turim, “Don’t Forget Me”, também recebeu os prémios de Melhor Actor (Nitai Gvirtz) e de Melhor Actriz (Moon Shavit) ‘ex-aequo’ com a protagonista do filme inglês “Daphne”, de Peter Burns (Emily Beecham).

O Prémio do Público foi para o filme francês “A voix haute”, de Stéphane De Freitas, cineasta descendente de emigrantes portugueses, fundador da rede social Eloquentia. “A morte de Stalin”, de Armando Iannucci, filme já estreado em Portugal, recebeu o prémio da Federação Internacional dos Críticos de Cinema (Fipresci).

Foi também o vencedor dos “prémios colaterais”, atribuídos por alunos de escolas de cinema. Na área do documentário, M–1” de Luciano Pérez Savoy (Bosnia/México) recebeu o prémio de melhor produção internacional, tendo sido atribuído o prémio especial do júri, neste segmento, ao francês “Sans adieu”, de
Christophe Agou.

Os prémios de curta-metragem foram para as produções italianas “Ida”, de Giorgia Ruggiano, e “Blue Screen”, de Alessandro Arfuso e Riccardo Bolo. Portugal tinha cinco filmes seleccionados para o Festival de Cinema de Turim, que teve início a 24 de Novembro. Em competição estavam “A fábrica de nada”, de Pedro Pinho, e “Spell Reel”, de Filipa César.

Na secção “Viagem” foram incluídos dois filmes do realizador francês F.J. Ossang, co-produzidos por Portugal – a curta-metragem “Silêncio” (2007) e a longametragem “Nove dedos” (2017) -, assim como “Margem sul”, média metragem de José Álvaro de Morais (1993-2004), feita em 1994. “Colo”, de Teresa Villaverde, e “Verão danado”, primeira obra de Pedro Cabeleira, foram exibidos na secção “Onde”, sobre filmes em diálogo com a arte contemporânea.