Carta do leitor: Quando o perigo “mora” em casa

Estimado director, Sei que o Jornal OPAÍS já fez uma notícia sobre este assunto, mas penso que nunca é demais falarmos sobre ele. Muitos assaltos acontecem e Luanda e no resto do país e em alguns deles até morrem pessoas. A Polícia tem dito para termos muita atenção com as pessoas que pomos em casa.

POR: Ana Isabel

Tem razão, a Polícia, porque muitas vezes são mesmo os nossos vizinhos ou empregados domésticos que temos há muito tempo que nos assaltam. E até nos matam se for preciso. Moro no Benfica e tenho um casal vizinho que tem uma empregada há doze anos.  Tinha, na verdade.

Afinal, quando a família não estava em casa, a empregada recebia lá o seu filho que vinha da escola e almoçava. Um dia a casa foi assaltada. A Polícia investigou e descobriu que quem deu todas as indicações da casa aos bandidos afinal era o filho da empregada.

Outros vizinhos foram roubados pelo jardineiro, que veio armado à noite com os seus amigos, mas ficou no exterior da casa. Só que que foram apanhados pela polícia e eles indicaram quem deu todas as informações sobre onde estavam as coisas. É preciso termos muito cuidado com quem pomos nas nossas casas. Não sabemos o mal que cada coração carrega. É preciso identificar bem os empregados, conhecer a sua família, onde moram, tudo, porque uma pessoa que você emprega, paga, trata bem, quando resolve te roubar não quer saber de nada.

Como o roubo do filho da empregada foi há pouco tempo, quero partilhar isto no jornal com toda a gente, porque nunca sabemos quem temos em nossas casas. Não se trata de roubar arroz ou carne que quase todas as empregadas fazem, o mal é quando chegam à noite com armas e ainda te matam. Devemos todos ter muito cuidado.