Análise Diária:Empresas do sector agrícola representavam 2,2% do total em actividade em 2016

O número de empresas em actividade aumentou 31,4% de 2013 a 2016.

POR: Atlantico

Espaço Angola

Os selos da taxa de circulação 2017, que deverão ser pagos de 1 de Janeiro a 31 de Março, sofreram um incremento de 22,69% do seu valor face ao ano anterior, justificado pelo actual nível de inflação.  As empresas dedicadas ao “comércio” e “reparação de veículos automóveis e motociclos” representam cerca de 50,3% do total de empresas em actividade em Angolano ano de 2016.

Espaço internacional
Alemanha: As encomendas de fábrica cresceram 0,5% em Outubro pelo terceiro mês consecutivo, contrariando a expectativa de contracção, que alimenta perspectivas positivas da economia para 2018.  China: Aumenta a expectativa de que na Principal Reunião Anual de Política Económica o país fixe uma meta de crescimento económico em 2018, mais reduzida face aos 6,5% de 2017.

Visão Atlantico

As empresas em actividade registaram aumento em 31,4%, de 35.074 unidades em 2013 para 46.096 unidades em 2016. O “comércio por grosso e a retalho” e a “reparação de veículos” representaram cerca de 50,3% do total de empresas em 2016, que superava a contribuição de 2,2% ligada à “agricultura, produção animal, caça, floresta e pesca” e 5,5% das “indústrias transformadoras”.

As “sociedades por quotas” representaram 42% e as “empresas em nome individual”, 55% do total, sendo que as “sociedade anónimas” representaram apenas 2,6%. O último dado apresenta-se em um nível moderado, quando comparado as economias com mercado de capitais mais desenvolvidos. Destaca-se a concentração de 58% das empresas em Luanda, seguida por 8% em Benguela.

A conferência económica anual realizada pelos reguladores chineses no mês de Dezembro, poderá apresentar como destaque a redução das perspectivas de crescimento para uma taxa inferior a 6,5%, sendo que no terceiro trimestre de 2017 registou- se um aumento do PIB de 6,8%.

Os analistas consultados pela Bloomberg destacam a manutenção do objectivo do Governo de duplicar em 2020, o crescimento de 10% registado em 2010. A política monetária deverá ser mantida em um nível prudente próximo de 4,35%, a taxa actual que tem sido registada desde Outubro de 2015, apesar da revisão em alta da expectativa de inflação de 1,6% para 2,8% em 2018, em consequência da expectativa de aumento dos preços do crude.