Mais de 300 pessoas afectadas pelo surto de cólera no Uíge

A resistência por parte de alguns cidadãos que insistem em beber água não potável é apontada pela equipa médica como sendo um dos factores que estimulam a proliferação da doença

Por: Alberto Bambi

Cerca de 345 pessoas já foram afectadas pelo surto de Cólera na província do Uíge, revelou, ontem, a OPAÍS, a directora local da Saúde, Madalena Diogo. A doença tem atingido sobretudo indivíduos do sexo feminino acima dos 15 anos. Até Sexta-feira, a epidemia já havia causado nove mortes, três das quais em unidades sanitárias e seis fora. Segundo a directora provincial da Saúde no Uíge, estes dados correspondem ao somatório de casos registados diariamente desde o dia 21 de Dezembro de 2017, altura em que foram identificados os primeiros focos da doença na região.

Fruto do trabalho multissectorial que tem sido desenvolvido na região para o controlo da epidemia, já se começou a notar a redução na taxa de pacientes habitualmente atendidos pelos técnicos da Direcção da Saúde.

Ontem, por exemplo, até às 12 horas, haviam sido notificados 16 casos, nomeadamente 13 no município sede e três no município do Songo, o que contrasta com as taxas iniciais. “Comparativamente aos diários anteriores em que eram notificados mais de 25 casos, estamos perante uma redução.

Entretanto, é necessário continuar a sensibilizar a população sobre as medidas preventivas, porque há cidadãos que insistem em beber água não tratada”, advertiu.

Diariamente, no Centro de Tratamento de Cólera (CTC), localizado no Hospital Geral do Uíge, são atendidas entre 30 a 40 pacientes que permanecem em regime de internamento de 72 horas, em que recebem cuidados médicos especializados.

Madalena Diogo afirmou que as equipas de técnicas do Ministério da Saúde (MINSA) continuarão engajadas no tratamento dos pacientes e contam com o apoio do Governo local para a instalação de boias de água, garantindo o acesso à água potável aos cidadãos.

A par desta, salientou que com o auxílio dos parceiros, nomeadamente a Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), tem sido possível garantir assistência medicamentosa aos doentes.

Note-se que na última Quintafeira, 11, o Governo da Província do Uíge recebeu uma doação da empresa Cabuscom, composta por fármacos, comprimidos “Certeza” para tratamento da água, e lixívia para o combate à doença.

A sociedade civil e igrejas, bem como activistas comunitários, são chamados a prestar o seu contributo sensibilizando a população sobre as medidas preventivas, e assim evitar o surgimento de novos surtos.

o que é a cólera?

A cólera é uma doença infectocontagiosa que atinge o intestino delgado, geralmente transmitida por água ou alimentos contaminados. A doença é transmitida pela bactéria “Vibrio cholerae, também conhecida como Vibrião colérica”. A ausência de saneamento básico e de abastecimento de água potável é apontada como principal factor a concorrer para o seu surgimento.

A maior parte das pessoas expostas à bactéria causadora da cólera não manifesta sintomas e muitas vezes nem sabe que está infectada. Já nos casos sintomáticos da doença, ou seja, quando há manifestação de sintomas, destacamse principalmente a diarreia, náuseas e vómitos, desidratação, boca seca, pele enrugada assim como pressão arterial alta, olhos encovados, sede excessiva e arritmia cardíaca.