Jovens carentes vão beneficiar de bolsa no CINFOTEC

As bolsas serão distribuídas de acordo com a contribuição de patrocinadores, que inicialmente vão beneficiar indivíduos com a 12ª classe domiciliados em lares de acolhimento

Por: Afrodite Zumba

O Centro Integrado de Formação Tecnológica (CINFOTEC) apresentou ontem, em Luanda, o seu novo projecto designado “Bolsa Jovem”, cujo objectivo é financiar a formação de indivíduos carenciados.

De acordo com o director-geral da referida instituição, Gilberto Figueira, a iniciativa surge em resposta a solicitações sobretudo de jovens, filhos de antigos combatentes, interessados em fazerem um dos cursos técnicos disponíveis naquele centro, porém veem-se impossibilitados, dada a sua condição financeira.

“Perante tal situação, contactamos o Instituto Nacional de Gestão de Bolsas de Estudo (INAGBE) para avaliar a possibilidade de se custear a formação destes jovens. Entretanto, foi-nos comunicado que aquelas bolsas não cobriam o sistema de estudo do CINFOTEC”, detalhou.

Apesar disso, a direcção do centro não cruzou os braços, e a nível interno criou o projecto “Bolsa jovem”, que terá a comparticipação de empresas e pessoas singulares, dentre os quais o músico angolano “C4 Pedro”, que apadrinhou o projecto e se propôs financiar seis bolsas formativas.

As mesmas estarão disponíveis a partir do ano formativo 2018, cuja abertura teve lugar ontem, no auditório CINFOTEC Rangel, e serão distribuídas de acordo com a contribuição dos patrocinadores. Serão inicialmente priorizados jovens com 12ª classe, provenientes de comunidades e de lares de acolhimento. “Vamos dar a cana para que eles possam pescar, formarem-se, terem qualificação técnica profissional, que posteriormente lhes permitirá obter bons empregos, ou até trabalhar de forma autónoma”, declarou.

Gilberto Figueira considera que o conhecimento é o recurso mais importante das organizações e as pessoas constituem o seu poder e riqueza.

Deste modo, considera importante que se continue a apostar na formação, para que os cidadãos adquiram competências técnicas que lhes permitam desenvolver organizações e, com efeito, alavancar a diversificação da economia.

“A meta para 2018 pevê acima de 5000 formandos”

Para o ano formativo 2018, o CINFOTECT quer formar 5000 cidadãos. Segundo Gilberto Figueira. Para atingir a referida meta será necessário conquistar novos clientes e assegurar os já existentes.

Em Talatona, por exemplo, pretende alcançar 2.945 formandos, mas o desafio é atingir a fasquia de 3.000. Por outro lado, na dependência do centro, no distrito urbano do Rangel, é pretensão atingir- se a meta de 1.992 formandos podendo chegar-se aos 2.500. “No total, queremos conquistar 4.937 com desafio de 5.000”, detalhou.

O Centro Integrado de Formação Tecnológica (CINFOTEC) é um órgão afecto ao Ministério da Administração Pública, Trabalho e Segurança Social (MAPTSS), criado em 2008 pelo Governo, cuja finalidade é contribuir para o Plano Nacional de Formação de Quadros. A instituição oferece vários cursos na área de Mecânica e Produção, Metrologia, Electricidade e Mecatrónica, Mecânica de produção, Tecnologias de Informação e Comunicação.

Terceiro CINFOTEC será construído no Huambo

O secretário de Estado do Trabalho e Segurança Social (MAPTSS), Manuel de Jesus Moreira, anunciou, na ocasião, que será erguida, este ano, uma nova unidade do Centro Integrado de Formação Tecnológica (CINFOTEC) na província do Huambo.

Em depoimentos à imprensa, realçou que a nova infra-estrutura contribuirá para o desenvolvimento profissional dos jovens da região centro-norte e culminará com a potencialização da agricultura e diversificação económica. De acordo com o governante, o (MAPTSS) tem sob tutela 105 unidades de formação e 635 centros de formação públicas e privadas.