Falta de serviços sociais força população a abandonar comuna do Alto Chicapa

Na esperança de inverter o quadro, o administrador local, Henrique Ngueno, já expediu várias cartas ao Governo da província, com vista a intervir o mais rápido possível naquela circunscrição, mas ainda não teve êxito

A falta de serviços sociais básicos na Comuna do Alto Chicapa (município do Cacolo) Lunda-Sul, como escolas, professores, medicamentos, mau estado das estradas e pontecos está a leva os munícipes a abandonarem a zona. Descontentes, os cidadãos estão a fixar-se na sede de Saurimo e nas províncias circunvizinhas, de Malanje e Moxico, em busca de melhores condições de habitabilidade.

O administrador comunal de Alto Chicapa, Henrique Ngueno, revelou ontem, à Angop, que a falta destes serviços tem deixado a população muito agastada, com poucas possibilidades de continuar a viver na localidade, uma vez que a mesma não desenvolve.

Apontou o mau estado da estrada e das pontes que ligam a comuna do Alto Chicapa ao município de Cacolo, como sendo o principal problema que concorre para esta tomada de decisão. Henrique Ngueno explicou que para chegar à região, a população percorre 108 quilómetros, em 10 horas, através de estradas alternativas, o que tem causado muitos transtornos e retardado o desenvolvimento da comuna.

Quanto ao sector da saúde, o responsável fez saber que a comuna dispõe de um posto médico, suportado por um enfermeiro e uma única ambulância inoperante, que dificulta ainda mais a transferência dos doentes graves às unidades de referência no município de Cacolo ou à sede capital da província.

Nesta área, adiantou, que o sector é um outro “calcanhar de aquiles”, não tem escola definitiva, mas sim, rudimentares, na época chuvosa as aulas param e contribuiu negativamente na fuga de docentes por falta de residências para a sua acomodação, deixando mais crianças fora do sistema de ensino.

“Actualmente algumas crianças são obrigadas a irem trabalhar na lavoura e realizar pequenos comércios, para sustentar a família, por não haver escola em condições e material didáctico”, lamentou. Quanto à agricultura, Henrique Ngueno, disse que a população do Alto Chicapa é dedicada nesta área e na pesca artesanal, mas, debate-se com problemas da falta de sementes e material de trabalho, o que tem dificultado a lavoura e a produção em grande escala dos produtos tradicionais, como a mandioca, milho, feijão e várias hortícolas. Para minimizar a situação, já expediu várias cartas ao Governo da província, com vista a intervir o mais rápido possível naquela circunscrição, criando os serviços que concorram à melhoria das condições sociais básicas das populações e os permita regressar a casa, para darem o seu contributo.

A comuna do Alto Chicapa que dista cerca de 108 quilómetros da sede municipal de Cacolo e 249 da cidade de Saurimo conta com uma população estimada em 3 mil 243 habitantes. Alto-Chicapa é uma das três comunas do município do Cacolo, situada entre Cacolo a Norte, Bié e Moxico a Sul, Dala a Leste e Malange a Oeste.

Tem uma superfície de 6.282 quilómetros quadrados e a sua população, maioritariamente camponesa, é de origem lunda-tchokwe e dedica- se à agricultura, pesca fluvial, caça, apicultura e exploração de recursos minerais e florestais.