loader

CASA-CE abre ano político com atenções viradas para as eleições autárquicas

A Convergência Ampla para a Salvação de Angola, Coligação Eleitoral (CASA-CE), na província da Huíla, está a preparar a abertura do ano político 2018, no próximo mês, com as atenções viradas para as eleições autárquicas

Por: João Katombela, no Lubango

Em entrevista a O PAÍS, o secretário provincial desta força política, na Huíla, Serafim Simeão, disse que a agenda política deste ano será marcada com a formação dos seus militantes e quadros sobre eleições autárquicas. Nesta senda, o político começou desde o dia 23 a desdobrar-se em vários municípios, tendo começado em Quipungo, cuja digressão o levará também a Matala, Chipindo, Caconda e Chicomba.

Esta visita servirá também para constatar o grau do cumprimento das actividades nas estruturas de base em toda a província, dimanadas pela direcção central desta coligação. Trata-se do processo de recrutamento e mobilização de cidadãos para engrossar as fileiras desta coligação presidida por Abel Chivukuvuku.

Aliás, Serafim Simeão disse que a CASA-CE conta com um número considerável de militantes espalhados em todo o território da província da Huila.

Afirmou que a sua organização política continua a consolidar-se e a fortalecer-se, cada vez mais, contando com novos membros, sendo alguns oriundos de outras forças políticas.

“A nível interno, a CASA-CE goza de boa saúde, não obstante alguns minúsculos problemas, próprios de qualquer organização. Temos estado a receber muitos novos militantes, sobretudo jovens”, informou. A maior parte destes novos militantes saem do MPLA, e, segundo a fonte, têm sido recebidos com as mãos abertas, aliás, como tantos outros que vêm de outros partidos políticos.

O entrevistado deste jornal augura que as eleições autárquicas anunciadas pelo Presidente da República, João Lourenço, em Benguela, se realizem o mais depressa possível. Garantiu que a sua formação política vai trabalhar afincadamente para obter bons resultados nas eleições autárquicas, razão pela qual está apostada na capacitação dos seus membros para fazer face a esse novo desafio.

Mais atenção aos cidadãos Por outro lado, o político manifestou- se preocupado com as prementes questões sociais que afligem a maior parte da população, sobretudo a falta de medicamentos nos hospitais. Apontou também a seca e a fome que está a assolar a região Centro- Sul do país, com maior predominância nas províncias da Huila, Cunene, e Namibe, respectivamente.

Serafim Simeão disse ser necessário unir-se esforços entre políticos, Sociedade Civil, Igrejas e pessoas de boa fé para acudir a situação que está a afectar milhares de pessoas, com realce para a camada mais vulnerável. Informou que a situação é alarmante no município do Curoca(Cunene) onde várias pessoas vivem em condições sub-humanas e de mendicidade, “e que só são lembradas quando precisam delas para fins eleitoralistas”.

“Nós visitámos há quase um mês o município do Curoca, onde há gente a morrer de fome, apresentamos uma proposta a nossa bancada parlamentar, no sentido de, nos próximos dias, deslocar-se aquela localidade e prestar o devido apoio às comunidades”, contou.

O político afirmou ser este o momento de os actores políticos e sociais começarem a preocupar-se com os problemas sociais, tais como medicamentos para os hospitais, alimentação e vestuário para as pessoas que mais necessitam. “É vergonhoso assistirmos à morte de crianças nos hospitais públicos por falta de medicamentos, e pessoas a morrerem de fome por falta de comida ”, concluiu Serafim Simeão.

Últimas Notícias