loader

País vai organizar dez feiras para promoção de investimento em 2018

Entre as temáticas genéricas, no presente ano serão realizadas dez feiras, sendo oito da responsabilidade da Eventos Arena, revelou Manuel Novais, directorgeral do grupo especializado na realização de exposições. Malanje vai realizar, pela primeira vez, uma Feira Internacional

Por: Patricia de Oliveira

A pesar do quadro macroeconómico, o país vai continuar a realizar feiras para promoção de investimento. Para este ano estão previstas oito feiras, três das quais vão acontecer pela primeira vez.

É o caso da “Angola FIT “, Exposição e Competição, Feira Internacional de Malanje (FIM) e a People Summit Angola. De acordo com o calendário de feiras, a primeira feira a ser realizada este ano é a Expo Noivos ( já na sua terceira edição). A exposição será no mês de Maio. Segue-se a Feira Internacional de Benguela (FIB), que terá igualmente lugar em Maio.

Considerada a segunda maior bolsa de negócios do país, a FIB vai já na sua 8ª edição. No mês de Junho, a Eventos Arena, numa co-organização com o Ministério do Ambiente, organiza a Feira do Ambiente. No mesmo mês acontece a “Angola-FIT”, Exposição e Competição, ao passo que para o mês de Julho está agendada a Feira Internacional de Luanda (FILDA),a maior bolsa de negócios do país.

A primeira edição da Feira Internacional de Malanje, que visa promover as potencialidades de uma província rica em turismo, pecuária e na agricultura, terá lugar no mês de Setembro, enquanto a Feira Internacional de Equipamentos e Serviços, para Construção Civil, Obras Públicas, Urbanismos, Arquitetura e Decoração de Interiores “Projekta”.

Em Novembro, acontece a última feira do ano: Trata-se da People Summit Segundo Manuel Novais, apesar do quadro macroeconómico do país, marcado por uma crise económica e financeira, Angola ainda é um destino de investimentos muito apetecível pelo empresariado estrangeiro.

“Apesar da crise económica, existem empresários de vários países interessados em vir para Angola para participar nas bolsas de negócios e mostrar as suas potencialidades”, realçou. Segundo ainda o responsável empresarial, neste momento estão a ser criadas condições para a realização das feiras.

O ano passado, a 33 ª edição da FILDA reuniu mais de 200 empresas dos sectores da indústria, petróleos, comércio, banca, seguros, construção civil, transportes serviços e telecomunicações em representação de 13 países, designadamente, Angola, Alemanha, África do Sul, Brasil, Estados Unidos da América, China, Cuba, Quénia, Uruguai e Zâmbia

Uma dezena de feiras canceladas

Há algum tempo que algumas feiras não são realizadas. Em 2017 não foram realizadas cerca de 10 feiras em razão da falta de divisas para organizar as actividades, nomeadamente, a Feira Internacional das Pescas e Aquicultura, Feira Internacional de Transporte e Logística de Angola (Expo-Trans), feira do Ambiente, Feira da Agricultura, “Educa Angola”, “Cidades e Municípios”.

Este ano, essas exposições voltam a não ser realizadas As feiras servem para promover investimentos, expor potencialidades e cativar parceiros para intervir em vários sectores de actividade. Em Angola, a maior exposição é a Feira Internacional de Luanda, que foi relançada no último ano, depois de dois anos sem ser realizada.

Refira-se que a Eventos Arena é a responsável pela organização das Feiras Internacionais de Benguela, Feira Internacional de Luanda e outras. Por outro lado, a Expo-Huíla, maior bolsa de negócios do Sul de Angola, é uma organização da Associação Agropecuária, Comercial e Industrial da Huíla (AAPCIL). Na mesma senda, a Feira da Banana Nacional, que acontece no município da Dande, província do Bengo, é promovida pelo Ministério da Agricultura e Desenvolvimento Florestal e parceiros

Últimas Notícias