Memorial A. Agostinho Neto inaugura tertúlia literária com Bendinho Freitas

o projecto denominado “Textualidades” é um ciclo de debates, em que os autores falam das suas obras com os seus leitores e expõem os seus livros.

POR: Augusto Nunes

O escritor Bendinho Freitas foi o convidado da tertúlia literária “Textualidades”, realizada Quarta-feira, no auditório do Memorial Dr. Agostinho Neto (MAAN), em Luanda Nesta I edição de “Textualidades”, Bendinho Freitas falou da sua única obra poética “Etnia pitoresca das palavras” e aproveitou o momento para anunciar mais uma obra literária para os próximos meses. Para o jovem escritor, a obra é refl exo de uma produção artística elaborada no período compreendido entre 1995 e 2010. Bendinho Freitas recordou, que ”entre o período da guerra civil e o pós-guerra, a obra não perdeu actualidade.

O erotismo e humanismo são alguns temas que o autor desenvolve no trabalho literário que o levou ao diálogo com os leitores. “ Na poesia que faço, não tento ser arauto da pureza ou vernaculidade da língua, pois, às vezes transgrido com o uso do estrangeirismo, sobretudo as frases já assimiladas pela língua portuguesa, ou o neologismo. As palavras em línguas nacionais ou próprias do português de Angola, também é um elemento que vem contrariar o princípio da pureza nos meus textos poéticos”, referiu Bendinho Freitas.

Perfil do convidado

Bendinho Freitas, nasceu a 25 de Maio de 1971, em Luanda. Jurista licenciado pela Faculdade de Direito da Universidade Agostinho Neto UAN. Foi professor: leccionou história em algumas escolas secundárias de Luanda e Língua Portuguesa no Centro Pré-Universitário da mesma cidade. Funcionário público, quadro do Ministério da Energia e Águas, onde exerce o cargo de Director de Recursos Humanos, tem passagem pelos sectores da construção inaugura tertúlia literária Bendinho Freitas e do comércio. Publicou o livro “A pitoresca etnia das palavras”, poesia, edição da UEA, 2016. Em 2000, publicou poemas e contos no extinto Suplemento Vida Cultural do Jornal de Angola.

Ainda para o primeiro trimestre do presente ano, os escritores João Tala, notável poeta da geração oitenta; João Maiomona, considerado pela crítica como o maior poeta da geração das Incertezas e Amélia Dalomba, uma das mais notáveis vozes da poesia angolana no feminino das últimas duas décadas, terão também encontro com leitores à luz do projecto textualidades. O encontro, reunindo professores universitários, jovens escritores, jornalistas e estudantes, contou com a presença especial da escritora Maria Eugénia Neto, viúva do primeiro Presidente de Angola Dr. Agostinho Neto, do Presidente do Conselho de Administração do MAAN, Jomo Fortunato, entre outras individualidades.