Editorial: A luz verde do FMI

O Executivo passou com distinção na avaliação que o Fundo Monetário Internacional faz anualmente à economia angolana, a primeira no consulado de João Lourenço. Na linguagem utilizada pelo Fundo no comunicado que coroa a visita da sua missão ao país transparece não apenas a habitual diplomacia dos experimentados técnicos da instituição, mas um tom positivo e frontal na apreciação das políticas. O FMI reconhece que a economia regista uma ‘suave’ recuperação e que a nova governação está correctamente apostada na estabilização macroeconómica, elogiando o reformismo adoptado no plano do clima de negócios e o acerto da política monetária e cambial. O crescimento previsto pelo FMI é metade do projectado pelo Executivo, mas a estimativa do Fundo é agora mais favorável, com o saldo orçamental e a dívida a contarem com a ajuda da recuperação do preço do petróleo. A avaliação evidencia riscos, sendo, contudo, muito, mesmo muito positiva e porventura a menos crítica que o FMI já produziu sobre a condução da economia angolana.