Agricultura negoceia com Japão e China financiamento para produção de algodão

Potencial financiador para o relançamento da cultura do algodão, o Japão investiu na reabilitação e apetrechamento das fábricas Satec e Alassola “África Têxtil”, no Cuanza-Norte e em Benguela, respectivamente. Estão a ser cultivados faseadamente 10 mil hectares de algodão ao longo do perímetro do Polo Agro-industrial de Capanda

O algodão produzido no país ainda não satisfaz as necessidades do mercado, onde duas industriais estão prontas e precisam de grandes quantidades. Em função do quadro, o Executivo busca apoio externo para o relançamento do algodão. O Secretário de Estado da Agricultura, Carlos Alberto Jaime disse que “o Japão e a China são os países com os quais estamos a contactar para financiar o relançamento da cultura do algodão na região da Baixa de Cassange”.

Acrescentou que estão a ser cultivados faseadamente 10 mil hectares de algodão ao longo do perímetro do Polo Agro-industrial de Capanda (PAC), localizado no município de Cacuso, e na Região da Baixa de Cassanje, que compreende os municípios de Cahombo, Quela e Cunda-dia-Base.

Importa referir que na província do Cuanza Sul está a ser desenvolvido um projecto-piloto para o cultivo de algodão, cujo objectivo é abastecer as fábricas África Têxtil e Satec, em funcionamento na província de Benguela e do Cuanza Norte.

Outrossim, o secretário de Estado disse estar em produção experimental consideráveis hectares de arroz na Região Songo, concretamente nos municípios de Quirima e Luquembo, cujos resultados se rão conhecidos na próxima campanha agrícola. Financiamento aos empresários Durante a sua intervenção, Carlos Alberto Jaime disse que a aposta do financiamento, ainda sem valor determinado, recairá essencialmente para o sector empresarial.

Realçou que o sector empresarial em Malanje perdeu alguma pujança desde o início da crise económica, em 2014, com reflexos na baixa produção das empresas agrícolas sediadas, essencialmente, nos municípios de Cacuso e Kiwaba Nzoji.

O governante referiu ainda que, “o Ministério da Agricultura pretende alavancar este segmento, com vista ao alcance das cifras outrora registadas na produção do algodão com a participação das famílias camponesas”.

Carlos Alberto Jaime reiterou ainda o apoio do ministério às famílias camponesas, através da redução de custos dos insumos agrícolas, com vista a aumentar os lucros delas.

O secretário de Estado para Agricultura e Pecuária fez essas declarações à margem da visita do vice-presidente da República à feira agrícola, onde estiveram patentes as potencialidades dos 14 municípios da província de Malanje.

A feira agrícola serviu para a exposição de diversos produtos agrícolas, meios artesanais e outros que representam as potencialidades dos catorze municípios da província.