loader

MNE chinês reúne-se com líder norte-coreano em Pyongyang

O ministro dos Negócios Estrangeiros chinês, Wang Yi, reuniu-se com o líder norte-coreano, Kim Jong-un, em Pyongyang, ilustrando a melhoria nas relações entre os dois países aliados, numa altura de invulgar abertura da Coreia do Norte.

O ministério chinês divulgou a visita num comunicado de uma linha, sem avançar com mais detalhes. Na quarta-feira, um outro comunicado referia que Wang informou as autoridades norte-coreanas que a China apoia os esforços da Coreia do Norte para desenvolver a sua economia, após a ONU ter punido Pyongyang com sanções que levaram a uma redução de 90% no comércio com Pequim. Em Março passado, Kim Jong-un realizou a sua primeira visita a Pequim, desde que ascendeu ao poder há seis anos, parte de uma mudança radical na sua postura diplomática, que se seguiu de um encontro com o Presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in.

O líder norte-coreano deverá ainda reunir-se este mês com o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. A China apela desde há muito ao diálogo entre os países envolvidos e enalteceu as cimeiras entre as Coreias. Analistas consideram que a aplicação pela China das sanções impostas pela ONU forçaram Pyongyang a seguir a via diplomática. Wang Yi disse ao seu homólogo norte-coreano, Ri Yong-ho, que a China valoriza as relações com o país e enaltece as recentes movimentações para reduzir as tensões na península coreana, segundo o comunicado do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês. Wang afirmou que a China está disposta a trabalhar com Pyongyang para impulsionar “a cooperação económica e comercial” e que apoia totalmente Pyongyang “em concentrar as suas forças na construção da sua economia”.

A China é o principal aliado e parceiro comercial da Coreia do Norte e poderá servir a Pyongyang como modelo, por ter conseguido abrir-se economicamente, enquanto manteve um Estado autoritário. No ano passado, os sucessivos ensaios nucleares de Pyongyang e a retórica beligerante de Trump elevarem a tensão para níveis inéditos desde o fim da Guerra da Coreia (1950-1953).

Últimas Notícias