loader

Huíla pode manifestar-se Sábado para contestar governação de Tyipinge

A manifestação é liderada por um grupo de quatro jovens, que alegam mau dirigismo do mais alto mandatário da província, apontando a Saúde e a Educação como sendo os sectores mais penalizados

Texto de: João Katombela, no Lubango

Para se efectivar a manifestação, os mentores desta iniciativa endereçaram uma carta ao Gabinete do Governador Provincial, João Marcelino Tyipinge, no dia 2 deste mês. A carta, a que este jornal teve acesso, aponta a falta de medicamentos e mau atendimento aos pacientes nos hospitais, assim como a escassez de escolas e de professores suficientes na província para dar resposta à procura.

A mesma acrescenta que os cidadãos desta província “estão cada vez mais preocupados e vivem numa intranquilidade”, devido ao aumento de índice de criminalidade, derivado da falta de energia eléctrica na maior parte dos bairros.

Em entrevista à Rádio Mais/ Huíla, e ao OPAÍS, órgãos do Grupo Media Nova, o porta-voz dos insatisfeitos, Manuel Andrade, explicou que não obstante o actual momento que o país vive, isto não retira o direito de se manifestar, apesar de reconhecer alguns feitos do Governo Provincial.

“Seria injusto demais se disséssemos que tudo está errado, é bem verdade que existem alguns sectores em que as coisas andam bem, houve construção de escolas, mas muito poucas”, reconheceu. Apontou que em algumas localidades do interior muitas crianças estão fora do sistema normal de ensino por falta de escolas e de professores.

“Estamos indignados com essa situação, porque o líder tem de saber responder às necessidades do povo que ele está a liderar, senão consegue responder, nós, como cidadãos, temos o direito de nos manifestarmos”, justificou.

Além das preocupações manifestadas na carta, os jovens dizem- se ainda agastados com a recondução de alguns dirigentes na recente “mexida” de João Marcelino Tyipinge.

Nas nomeações feitas recentemente, os jovens manifestantes dizem estar contra as reconduções de Américo Chicoty e Joaquim Barbante Tyiova, como directores dos gabinetes de Educação e da Juventude e Desportos, respectivamente. Polícia garante presença Entretanto, o segundo comandante provincial da Huíla para a Ordem Pública da Polícia Nacional, Florêncio Ningui, informou a OPAÍS que tomou conhecimento da referida manifestação de forma oficiosa, mas que garante assegurar a actividade se se efectivar.

“Eu quero dizer que desta manifestação, de forma oficial, a Polícia não teve conhecimento, mas, como a actividade diz respeito àquilo que é a segurança pública, enquanto nos for comunicado atempadamente, nós temos a obrigação de assegurar”, disse.

A carta de que informa a realização da manifestação foi rece-bida por uma funcionária do Gabinete do Governador Provincial, identificada apenas por Juliana, de acordo com assinatura de recepção do documento, datado de 02-05-2018.

Este jornal, apurou, entretanto, que o governador provincial da Huíla, João Marcelino Tyipinge, despachou a carta para o comandante provincial da Polícia Nacional, com o conhecimento ao administrador municipal do Lubango.

Últimas Notícias