Maka à 4ª Feira: “Degravata” de Carmo Neto junta amantes da literatura na “União”

Estudantes e amantes da literatura angolana vão reflectir sobre a mais recente obra deste escritor angolano, que é também o secretário-geral da União dos Escritores Angolanos

POR: Ireneu Mujoco

A obra “ Degravata”, do escritor angolano Carmo Neto, será objecto de uma aula de campo a realizar-se a 23 de Maio, às 13 horas, na sede da União dos Escritores Angolanos(UEA), em Luanda, no âmbito do projecto “O leitor e o autor”. Organizada pelo Instituto de Ciências Religiosas de Angola(ICRA), em parceria com o Movimento Litergris, a mesma servirá não só para analisar o livro em causa, mas também cultivar hábitos de leitura.

Também visa desenvolver competências em matéria de análise literária e aproximar os estudantes aos escritores angolanos, segundo uma nota da UEA enviada a OPAÍS. Esta reflexão à volta do livro do escritor Carmo Neto, que é também o secretário-geral da União dos Escritores Angolanos, é aguardada com muita expectativa por escritores, estudantes, jornalistas e amantes da literatura.

Maka à Quarta-feira

No mesmo dia, a partir das 17 horas, e no mesmo local, realizar-se-á a habitual “Maka-à-Quarta-feira”, sob o tema “A Tridimensionalidade do Jovem Escritor no Panorama da Literatura Angolana”. Nesta, que será apresentado pelo jovem escritor e crítico literário, Hamilton Venokanya, co-fundador e coordenador geral do Movimento Cultural do Cunene. Como sugere o tema, o encontro consistirá em trocar impressões no campo da tridimensionalidade do jovem escritor no panorama da literatura angolana, e apresentar dicotomias.

Carmo Neto, o escritor

Nasceu a 16 de Outubro de 1962, em Malanje. Advogado e jornalista, é membro da Ordem dos Advogados de Angola e da União dos Jornalistas Angolanos. Contista, como membro da União dos Escritores Angolanos, é actualmente o seu secretário-geral. Foi director da Revista Militar das Forças Armadas Angolanas (FAA) durante os anos 1980. Livros Publicados A Forja (1985), Meu Réu de Colarinho Branco (1988), Mahézu (2000), Joana Maluca (2004) e Degravata (2007).Tem neste momento duas obras por publicar, sendo uma de contos e outra uma novela. Seus contos integram diversas antologias publicadas em Angola e fora do país, estando assim traduzido em inglês, francês, árabe e espanhol.