loader

Nigéria continua à frente de Angola na produção de petróleo

O relatório da Organização dos Países Produtores e Exportadores de Petróleo (OP EP), referente ao mês de Maio, que vai apenas no seu décimo sétimo dia, divulgado ontem, refere que Angola continua abaixo da Nigéria em termos de produção petrolífera.

A Produção de petróleo de Angola registou uma quebra de 7800 barris por dia (bpd) em Abril para 1,515 milhões de bpd, números que têm por base fontes secundárias, de acordo com o relatório mensal do mercado petrolífero referente a Maio de 2018 da Organização dos Países Produtores de Petróleo. Em frente da produção de crude, a Nigéria registou igualmente uma quebra de produção, de 8300 bpd, mas manteve a posição de principal produtor do continente com 1,791 milhões de bpd, tendo igualmente por base fontes secundárias.

O documento admite ainda que Angola terá aumentado a produção em Abril passado com mais 2000 bps para um total de 1,498 milhões de bpd, enquanto a Nigéria informou ter a sua produção registado um aumento mensal de 164,7 mil bpd para 1,724 milhões de bpd. Angola liderou a produção de petróleo em África durante praticamente todo o ano de 2016 e até Maio de 2017, posição que perdeu desde então para a Nigéria, cuja produção havia sido condicionada entre 2015 e 2016 devido a ataques terroristas e a instabilidade política interna.

O mesmo relatório, mas neste caso com dados de Março, informa que Angola se manteve como um dos três principais fornecedores de petróleo à China, com uma quota de 10% do total, atrás da Rússia (15%) e da Arábia Saudita (12%). Dados do Ministério das Finanças recentemente divulgados informam que as reservas de petróleo comprovadas de Angola ascendem a 6000 milhões de barris, o que garante dez anos de produção ao ritmo actual de extracção de ramas. Os mesmos dados indicam que entre 2013 e 2017 foram descobertos em Angola 3700 milhões de barris de petróleo e 850 milhões de barris equivalentes de gás natural.

Preço do petróleo em alta

O barril de petróleo Brent, com contratos de entrega para Julho, abriu, na madrugada de Terça-feira para Quarta, em baixa no mercado de futuros de Londres, ao ser negociado a USD 78,03. Terça-feira, o petróleo do Mar do Norte, que serve de referência às exportações do crude angolano, fechou a sessão a USD 78,43. Analistas estima- se que apesar das oscilações, o preço do barril deve chegar aos USD 100 no início de 2019, um facto que poderá animar as economias ancoradas no petróleo, como é o caso de Angola.

Últimas Notícias