Reabilitação das infra-estruturas da cidade do Lubango concluídas em Dezembro

Financiadas em 212 milhões de dólares norte-americanos, pelo Governo Central, quando concluídas, oferecerão uma imagem muito diferente da actual, nesta que é também a Cidade do Cristo Rei

POR: João Katombela, no Lubango

A primeira fase de execução das obras de reabilitação das infraestruturas integradas da cidade do Lubango, cuja primeira pedra foi lançada em Junho do ano passado, será concluída em Dezembro do ano em curso. A informação foi avançada a OPAÍS pelo coordenador deste projecto, o engenheiro João Dinheiro, tendo revelado que os trabalhos incidem nas estradas primárias e secundárias, com a colocação de um novo tapete asfáltico, iluminação pública, valas para drenagem de águas pluviais e residuais. As obras estão a ser executadas por pacotes, ou fases, sendo que a primeira já regista uma execução física na ordem dos 50 por cento, embora ainda se encontre no pacote 1. “É aqui onde incide a maior força de trabalho do empreiteiro”, sublinhou, e este primeiro pacote compreende vias estruturantes da periferia, em que se destacam as estradas da Santa ao bairro João de Almeida; a que dá acesso às centralidades da Quilemba e da Eiva, a do centro da cidade ao bairro da Mapunda.

Primeira fase

A primeira fase deste projecto permitiu a conclusão da via que liga a Estrada Nacional Nº 280 com a Centralidade da Quilemba, numa extensão de 4 quilómetros, com 9 metros de largura, e respectiva bermas e valetas de drenagem. As obras que ligam a pirâmide do Arco-íris já se encontram em estado avançado de execução, e permitirão a abertura desta via ao trânsito na próxima semana, faltando apenas concluir a base para fazer a impregnação.

Opção pela periferia Questionado sobre o facto de as obras terem começado na periferia, ou seja, nas vias secundárias, enquanto há buracos que embaraçam a mobilidade do trânsito em algumas ruas da cidade, disse tratar-se de uma opção técnica. “Por uma questão de estratégia do próprio Governo Provincial da Huíla e do Ministério do Urbanismo e Habitação, optou-se por dar prioridade à estas vias estruturantes da periferia”, justificou João Dinheiro. A ideia, segundo o responsável, é que, quando começarem as obras dentro da urbe, essas vias serão alternativas para descongestionar o trânsito no casco urbano e criar mais fluidez.

Administração municipal satisfeita

Para o administrador municipal do Lubango, Francisco Barros, a conclusão destas infraestruras vai conferir à cidade uma nova imagem. Mais digna. “É um trabalho profundo de engenharia que está a ser feito, não são tapa buracos, estamos mesmo a substituir, na totalidade, o tapete asfáltico, bem como a construir novas sargetas e valas de drenagem, para que possamos ter um Lubango que agrade a todos”, sublinhou. O projecto global na cidade do Lubango será executado em 36 meses, para o efeito, o Governo Central alocou um total de USD 212 milhões.