Senado dos EUA confirma Gina Haspel para liderar a CIA

O Senado dos EUA confirmou, nesta Quinta-feira, Gina Haspel como a primeira diretora da CIA no país, apesar da sua ligação com o controverso programa de interrogatórios da agência.

A confirmação vem um dia depois de o Comité de Inteligência do Senado ter votado por 10 a 5 a favor de Haspel para liderar a agência.

Haspel foi confirmada uma votação de 54 a 45 na Quinta-feira. Enquanto três senadores republicanos se opuseram à sua nomeação, Haspel conseguiu votos suficientes com o apoio de seis democratas.

A nomeação foi criticada pelos laços anteriores de Haspel com as antigas actividades de rendição, detenção e interrogatório da CIA, realizadas nos anos seguintes aos ataques de 11 de Setembro, com o uso de técnicas de interrogatório forçadas, como o afogamento simulado, hoje amplamente considerado como tortura.

Em 2002, Haspel supervisionou uma prisão secreta na Tailândia, onde duros interrogatórios foram realizados e ela destruiu fitas de interrogatório da CIA anos depois. O seu papel específico no programa continua classificado.

Os opositores à sua nomeação incluem mais de 100 almirantes e generais aposentados, que disseram que o seu papel no uso da tortura pela agência encorajaria governos estrangeiros a torturar soldados americanos.

O senador Mark Warner, o principal democrata no Comité de Inteligência, apoiou a indicação de Haspel.

“Eu acredito que ela é alguém que pode e vai enfrentar o presidente, que vai falar a verdade se este presidente ordena que ela faça algo ilegal ou imoral, como um retorno à tortura”, disse Warner num discurso no Senado antes da votação.

Numa carta datada de 14 de Maio a Warner, Haspel escreveu que o programa de interrogatório “não é um programa que a CIA deveria ter empreendido”.

“Enquanto eu não condenarei aqueles que fizeram essas difíceis exigências, e eu observei a valiosa inteligência colectada, o programa acabou prejudicando nossos oficiais e nossa posição no mundo”, acrescentou.

A carta representou uma posição mais forte no programa controverso do que Haspel tomou durante a sua audiência de confirmação na semana passada.

Haspel , uma oficial disfarçada durante a maior parte da sua carreira de 33 anos na CIA, prometeu então que o programa não seria reiniciado sob a sua liderança, mas não chegou a dizer que não deveria ter sido iniciado.

A natural do Kentucky, de 61 anos, tornou-se a directora interina da CIA, após a renúncia do seu antecessor, Mike Pompeo, para se tornar secretário de Estado dos EUA e foi indicada por Trump para ser a directora permanente em Março.