TAAG transporta mais de 8 mil passageiros/mês em trânsito

Maputo-Luanda é uma das rotas com passageiros em trânsito com mais movimentos, tendo obrigado a companhia a planificar duas aeronaves semanais, uma do tipo Boeing 737-300 sendo outra um Boeing 777-700

POR: Patrícia de Oliveira

No âmbito da sua reestruturação, fruto da Refundação da empresa, foram introduzidos na companhia aérea de bandeira novas formas de ligação. O trânsito de algumas cidades capitais africanas, europeias e americanas tem passado por Luanda, transformando a capital num Hub(placa giratória), um dos desafios da empresa. É assim que a TAAG tem transportado, mensalmente, um máximo de 10 mil passageiros, estando Maputo na liderança. No entanto, os números ainda não são conhecidos em definitivo.

“Temos colocado nesta rota duas aeronaves, sendo um 737-300 e outra 777-700, a maior operada pela companhia. Está a ser uma boa opção”, avançou a fonte da Direcção Comercial. Revelou ainda que grande parte dos passageiros transportados pela TAAG, de Maputo-Moçambique, faz trânsito em Luanda e rumam para as cidades portuguesas de Lisboa e do Porto. “Em alguns casos são cidadãos moçambicanos, noutros casos são cidadãos portugueses”, explicou.

Durante a conversa, OPAÍS apurou ainda que “o objectivo de tornar Luanda num Hub está em vias de ser concretizado”, uma vez que muita gente viaja da África do Sul para Luanda, em trânsito para São Tomé e Príncipe, um país potencialmente turístico. Referiu que das cidades brasileiras de São Paulo e Rio de Janeiro partem muitos passageiros, cujos destinos são, além de Luanda, as cidades de Maputo (Moçambique), Joanesburgo (África do Sul) e outras da África Austral. Quanto ao rendimento proveniente destas operações, a fonte não avança, mas assegura que produz bons resultados para a companhia que neste momento precisa de uma recapitalização por parte do Executivo.