Gestores de piscinas não têm cultura de salva-vidas

O porta-voz nacional do Serviço de Protecção Civil e Bombeiros (SPCB), Faustino Sebastião, disse que tem sido muito raro receberem denúncias de casos de afogamentos em piscinas, mas nem por isso os gestores destes sítios devem ignorar o salva-vidas.

“Não temos tido bombeiros para salvar vidas de pessoas que frequentam piscinas porque os gestores destes empreendimentos não têm essa cultura. Em função de algumas situações que foram ocorrendo, vamos apelando aos gestores desses locais no sentido de contratarem os nossos serviços, para maior segurança dos utentes. Infelizmente não há cultura de segurança por parte destes gestores”, lamentou. Por essa razão, uma ou outra vez, e de forma muito tímida, vão comunicando alguns casos de afogamentos em piscinas, em que maioritariamente as vítimas são jovens, adolescentes e crianças.