Comércio inclui construção de centro logístico do Huambo no PIP de 2019

A construção do centro logístico do Huambo está paralisada desde 2008, com efeito, não consta do Programa de Investimentos Públicos para o ano em curso, o que acontecerá em 2019

POR: Miguel Kitari

O ministro do Comércio, Jofre Van-Dúnem Júnior, trabalhou, durante dois dias, na província do Huambo, onde constatou o funcionamento de algumas infra- estruturas ligadas ao departamento ministerial que dirige. Na ocasião, o governante avançou que “o centro logístico do Huambo, localizado no município da Caála, está inconclusivo desde 2008. Não podemos avançar um horizonte temporal para a sua conclusão. Entretanto, vamos sim inscrevê-lo no Programa de Investimentos Públicos do Ministério do Comércio para 2019”, respondendo a uma interrogação sobre o centro logístico daquela região potencialmente agrícola. Segundo o governante, o centro cujas obras paralisaram há 10 anos, ficou sem todos os seus equipamentos que foram vandalizados.

“Isso quer dizer que estamos a partir do ponto zero”, sublinhou. Declarou ainda que o seu pelouro ministerial trabalha no sentido de encontrar uma parceria público-privada destinada a oferecer outra dinâmica à plataforma logística que vai servir o país. Jofre Van-dúnem, que esteve naquela cidade planáltica para participar nos debates sobre a adesão de Angola à Zona de Livre Comércio da SADC, afirmou que “a agromerca está numa condição que podemos considerar muito má. A parte frigorífica tem problemas de manutenção e outras até de reparação por falta de alguns equipamentos. O sistema de calibragem e de embalagem dos produtos agrícolas também estão por funcionar”, detalhou.

No local, o governante recebeu explicações refrentes aos sistemas de refrigeração não funcionam em pleno por falta de energia e de água, situação que foi imediatamente descartada, uma vez que a região beneficia de fornecimento de energia eléctrica. Assim sendo, Jofre Van-Dúnem Júnior entende que “os empresários devem ter mais arte e engenho, no sentido de buscar soluções para algumas preocupações”, sugeriu. Realça que a agromerca foi construída pelo Estado para que os alimentos cheguem em tempo oportuno, na quantidade e qualidade desejada pelo consumidor final. Em relação ao quadro encontrado naquela infra-estrutura, o ministro deixou algumas orientações junto a empresa que trata da gestão da infra-estrutura. Eles, por sua vez, procederam à entrega de um documento que em Luanda será analisado ao pormenor.

Escola do comércio nas mãos do governo O ministro não deixou de se referir à escola provincial do comércio, que se encontra encerrada. Sobre o assunto, Jofre Van-dúnem Júnior referiu que já foram mantidos contactos com o Governo Provincial que passará a gerila, logo que for reaberta. “Do ponto de vista metodológico, ela vai depender do comércio. Vamos trabalhar no sentido de reabri- la ainda este ano”, garantiu.

Escola do comércio nas mãos do governo

O ministro não deixou de se referir à escola provincial do comércio, que se encontra encerrada. Sobre o assunto, Jofre Van-dúnem Júnior referiu que já foram mantidos contactos com o Governo Provincial que passará a gerila, logo que for reaberta. “Do ponto de vista metodológico, ela vai depender do comércio. Vamos trabalhar no sentido de reabri- la ainda este ano”, garantiu.