UE disponibiliza 1,5 milhão de euros para combater Ébola na RD Congo

A União Europeia (UE) desembolsou uma ajuda humanitária de emergência de um milhão e 500 mil euros para combater a epidemia de Ébola na RD Congo, onde já fez 25 mortos em 45 casos confirmados da doença, indica um comunicado oficial europeu.

Estes fundos devem assegurar o apoio logístico à Organização Mundial da Saúde (OMS), enquanto 130 mil euros foram concedidos à Cruz Vermelha Internacional para que efectue as suas intervenções na RDC. Por outro lado, o serviço aéreo da UE (ECHO) encarregou-se de transportar peritos médicos, socorristas bem como o material para as zonas afectadas pela epidemia.

O comissário europeu para a Gestão de Crises, Christos Stylianides, declarou que a UE trabalha em estreita colaboração com as autoridades nacionais congolesas, sobretudo agora que ocorreu um caso confirmado em Mbandaka, cidade de um milhão e 200 mil habitantes, situada junto ao rio Congo que pode permitir ao vírus expandir- se até Kinshasa e Brazzaville. A cidade de Brazzaville, capital congolesa, está situada a apenas 15 minutos de barco da capital da RD Congo, Kinshasa. Os epidemiologistas receiam, além disso, que a epidemia se expanda à República Centro-Africa-na (RCA), cuja fronteira dista algumas centenas de quilómetros de Mbandaka.

Os fundos desembolsados pela UE devem garantir o desdobramento de capacidades suplementares para as zonas afectadas pelo vírus de Ébola, o controlo e o acompanhamento das vítimas bem como a busca activa dos casos para a detecção rápida das pessoas infectadas, e a comunicação com as comunidades afectadas sobre os riscos potenciais e os comportamentos a adoptar para prevenir a propagação da doença, incluindo o apoio psico-social e uma preparação para exéquias seguras e condignas. A nota acrescenta que o satélite europeu Copernicus foi disponibilizado para contribuir para orientar as buscas na zona de Bikoro, particularmente de difícil acesso.