Amarelo

Está a acender-se-me um sinal amarelo. Por enquanto é apenas amarelo, mas preocupante. Na verdade, é amarelo apenas porque me considero uma pessoa muito tolerante e porque talvez não tenha ainda feito a leitura mais correcta.

POR: José Kaliengue

Digo isto porque para o caso pendente, normalmente não há espaço para outra cor que não seja a vermelha. Estou preocupado com o sentido que algumas pessoas dão ao postulado “corrigir o que está mal e melhorar o que está bem”, estou preocupado com declarações que são feitas por alguns membros do Governo e por militantes importantes do MPLA. O seu sentido da correcção vai a tal ponto que se vestem de extra-terrestres. “Eu nada tenho a ver com a governação anterior, aquilo estava tudo mal”. É isso mesmo, chamam de “governação anterior”, ainda que dela tenham usufruído facilidades, ainda que a tenham suportado, no Parlamento e na imprensa, em acções partidárias. Ainda que não tenha havido troca partidária no Governo e ainda que boa parte dos deputados tenham vindo da legislatura passada. Cheira a alguma falta de coerência. E é isso que me faz acender a tal luz vermelha e que me seja difícil acreditar na correcção do que está mal, porque individualmente não acreditam nele, não assumem a sua quota- parte. Há na vida um dia em que um homem adulto deixa de fazer determinadas coisas porque amadureceu, e as pessoas ao seu redor notam- no, sentem. Nem precisa de fazer a sua contrição em alta voz. É exactamente do que o país precisa. O que alguns têm feito é armadilhar o quarto em que se me