Presidente da associação dos inventores processa colegas por difamação

Em causa está uma alegada acusação de desvio de fundos, denunciado por dois membros da associação

Texto de: Ireneu Mujoco

O presidente da Associação Angolana de Inventores e Inovadores([email protected]), Bitombokele Lei Gomes, vai intentar uma acção judicial contra dois membros desta instituição, por crime de injúria e difamação. Trata-se de Wilmer Carlos e Laurindo Adélio Sacramento, que o acusam de desvio de um suposto dinheiro da associação, cedido pelo então presidente da República, José Eduardo dos Santos, por altura em que recebeu uma delegação dos inventores e inovadores.

No dia 10 de Novembro de 2016, José Eduardo dos Santos havia recebido no Palácio Presidencial da Cidade Alta, em Luanda, uma delegação dos inventores e inovadores, chefiada por Lei Gomes, depois de ter participado numa feira internacional na República Federativa do Brasil.

A comitiva ter-se-á deslocado à Cidade Alta para entregar um troféu ao antigo Presidente da República, como reconheci-mento do seu empenho na investigação científica em Angola. Em declarações aO PAÍS, Lei Gomes afirmou que durante o encontro com José Eduardo dos Santos, em momento algum falouse em dinheiros, tendo a conversa se cingido exclusivamente ao troféu.

Acrescentou que, nos últimos dias, os seus dois colegas da associação, Wilmer Carlos e Laurindo Sacramento, veem acusando- o de ter recebido um valor não especificado das mãos do antigo Presidente destinado a associação.“

Além de mim, estiveram no encontro mais pessoas, e em momento algum o presidente Eduardo dos Santos me entregou dinheiro ou cheques para associação”, referiu. Sem apoios Lei Gomes frisou que a sua instituição nunca recebeu apoios financeiros de organismo algum do Estado, e sobrevive da ajuda de amigos da associação e de pessoas singulares.

“Desafio estes dois colegas a mostrarem provas de que recebi dinheiro da Cidade Alta”, afirmou o responsável, para quem a única forma de resolver este assunto é encaminhá-lo aos órgãos de justiça, pois que já contratou um advogado para acompanhar o caso, cuja queixa será apresentada hoje no Serviço de Investigação Criminal(SIC) de Luanda. Acrescentou que a pretensão dos seus dois colegas é denegrir a sua imagem por fins inconfessos.

Recentemente, segundo Lei Gomes, os dois membros deram entrevistas a uma rádio em que denunciaram o suposto desvio de fundos da associação por parte do presidente. Informou que nem o Ministério da Ciência e Tecnologia ou uma outra instituição apoiou financeiramente a associação, desde a sua existência. Apontou que a única parceira da associação é a Embaixada da Suécia, que, segundo ele, tem dado o devido apoio para a realização das suas actividades.

Revelou que há muito tempo a instituição luta para obter o estatuto de um organismo de utilidade pública, mas sem sucesso. Refira-se que em Abril do ano em curso, Lei Gomes foi premiado com uma medalha de ouro na 46ª edição do Salão Internacional das Invenções de Genebra, na Suíça. A distinção resultou da apresentação do seu projecto designado “Mandombe 01”.

Este projecto é um novo código tecnológico que se pretende implementar em África e permitirá codificar os conhecimentos científicos numa perspectiva genuinamente africana. Através deste novo código é possível conceber uma nova linguagem nas áreas de informática, mecânica, física e matemática.

Outras premiações Em 2016, Lei Gomes participou também numa feira na República Federativa do Brasil, na qual arrebatou um outro prémio com a apresentação do projecto “Malonda 01”, que é um laboratório móvel de física, que é usado na Marinha de Guerra de Angola (MGA).