Imprensa divulga ‘exigências’ da Coreia do Norte aos EUA

Durante a preparação da cimeira entre os EUA e a Coreia do Norte, o líder norte-coreano “exigiu de modo veemente” que Washington estabeleça relações diplomáticas e retire as sanções.

Segundo o jornal sul-coreano The Chosun Ilbo, os representantes da Coreia do Norte deram a entender que já foram tomadas diversas medidas no sentido da desnuclearização, em particular, a destruição do polígono nuclear de Punggye-ri. A Coreia do Norte pretende continuar nessa direcção até concluir o desarmamento nuclear.

“A Coreia do Norte explicou […] que não haverá nenhuma razão para manter as armas nucleares caso se estabeleçam relações diplomáticas com os Estados Unidos e estes ponham fim à política hostil, por exemplo, cancelem as sanções”, escreve o jornal. Se a reunião entre o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, e Kim Yo-jong, vice-presidente do Comité Central do Partido dos Trabalhadores da Coreia do Norte, for bem-sucedida, os líderes dos dois países assinarão um acordo sobre o desarmamento nuclear da Coreia do Norte, a retirada das sanções e o estabelecimento de relações diplomáticas, informou uma das fontes à mídia.

Washington apresenta condições de reciprocidade

“Os EUA exigiram os primeiros passos para que a Coreia do Norte não possa voltar atrás quanto as suas intenções de completar a desnuclearização. Por exemplo, remover as armas nucleares parcialmente”, comentou outra fonte anónima ao jornal. Ele acrescentou que, em contrapartida, Pyongyang insiste que Washington cesse a implantação de meios estratégicos na península, referindo-se aos exercícios militares conjuntos Ulchi- Freedom Guardian entre os EUA e a Coreia do Sul, marcados para Agosto.

Segundo Pyongyang, isso permitirá estabelecer um equilíbrio militar entre as duas Coreias, salientou o interlocutor. A principal imposição em relação a Pyongyang por parte da comunidade internacional são os testes nucleares. Por sua vez, a Coreia do Norte está insatisfeita com os exercícios dos EUA e os seus aliados, particularmente a Coreia do Sul, perto das suas fronteiras. Previamente, Pyongyang anunciou que segue o rumo da desnuclearização, o que gerou uma melhoria temporária no diálogo com Washington.

Donald Trump e Kim Jong-un até planearam encontrar-se para discutir uma possível estabilização das relações. No entanto, na semana passada, o líder norte-americano recusou-se a comparecer na reunião de cúpula. Umas horas antes disso, a Coreia do Norte destruiu o seu único polígono destinado a testes nucleares subterrâneos.Posteriormente, foram divulgadas informações sobre a possível retomada das negociações entre Trump e Jong-un. Na semana passada, o presidente russo Vladimir Putin expressou esperança no diálogo entre Pyongyang e Washington e declarou que os EUA não devem assumir uma posição inflexível em relação ao país norte-coreano.