Vítimas da “cura do VIH-SIDA” de Yahya Jammeh indignadas

Três gambianos que seguiram a chamada “milagrosa cura” de Yahya Jammeh apresentaram uma queixa na Quinta-feira (31 de Maio) na corte civil do Supremo Tribunal de Banjul..

Eles acusam o ex-presidente de tratamento desumano e degradante, e exigem indemnizações. Eles foram os primeiros a seguir o “tratamento” experimental do presidente. Em Janeiro de 2007, quando Yahya Jammeh se auto- proclamou curandeiro tradicional, afirmava ter encontrado uma cura para a SIDA, esses dois homens e mulheres são os líderes das organizações de apoio aos doentes.
O que aconteceu aos pacientes que Yahya Jammeh alegou curar da SIDA?
Durante seis meses, esses gambianos foram trancados num centro de saúde e terão tomado decocções de ervas, em frente às câmaras da televisão estatal. “A minha experiência durante este período de tratamento com o presidente foi realmente horrível. Eu poderia ter perdido a minha vida “, explica Fatou Jatta, um dos reclamantes. Se cinquentenários finalmente saíram vivos, um número incerto de “pacientes” morreu. Onze anos mais tarde, estes três gambianos seropositivos, ajudados pelo World AIDS-Free e pelo Instituto para os Direitos Humanos e Desenvolvimento em África (IHRDA), estão determinados a procurar por indemnização. De acordo com o texto da denúncia, eles se consideram vítimas de “detenção ilegal” e “tratamento desumano e degradante”.
O falso tratamento do presidente não teve efeitos na luta contra a doença no país
“Yahya Jammeh é acusado de negligência por se apresentar como alguém capaz de tratar a SIDA”, diz o advogado, Combeh Gaye. “Os queixosos, durante o tratamento, foram forçados a abandonar os seus anti-retrovirais, os medicamentos normalmente usados pelas pessoas portadoras do vírus, para consumir apenas as decocções. Isso teve consequências para a sua saúde. “O falso tratamento do presidente também teve efeitos na luta contra a doença no país. Como o assunto se tornou um tabu, as organizações que continuaram a oferecer tratamentos convencionais tiveram que ser muito discretas. Hoje, pouco mais de 1% da população é seropositiva, mas apenas um terço das pessoas sabem que têm o vírus.