loader

Suspeitos de ataques a civis abatidos pelas autoridades

As forças de defesa e segurança de Moçambique abateram alguns dos supostos membros dos grupos armados que têm atacado a população, no norte do país, de acordo com um canal de televisão e fontes ouvidas ontem pela Lusa

O canal de televisão STV anunciou ontem que oito suspeitos terão sido mortos pelas autoridades durante uma operação nas matas da província de Cabo De gado, junto a uma das aldeias onde, no Domingo, foram decapitadas 10 pessoas.

Outras fontes contactadas ontem pela Lusa no distrito de Palma falam também de um contra-ataque das autoridades que terão encontrado os suspeitos enquanto estes preparavam comida, no meio de uma floresta em Quissengue, posto administrativo de Olumbi, sem especificar quantos seriam ou quantos terão sido abatidos.

As mesmas fontes indicam que os membros das forças de defesa e segurança terão sido apoiados nas operações por residentes. Segundo a STV, os supostos agressores terão sido abatidos na Sexta-feira, depois de mais uma pessoa ter sido decapitada, na Quinta-feira, na povoação de Muti, no mesmo distrito. Juntamente com os suspeitos terão sido descobertas catanas e uma metralhadora AK-47, além de comida e de um passaporte tanzaniano, acrescentou o canal.

Os agressores estariam junto a um rio quando foram descobertos e abatidos, sendo que já noutras ocasiões terão sido detectados junto a cursos de água, adiantou ainda a STV, que disse ter obtido a informação junto de membros das forças de defesa e segurança. Entretanto, o governo provincial de Cabo Delgado permitiu a reabertura de três mesquitas em Pemba, capital da província, depois de terem sido encerradas no final de 2017 por indícios de ligação aos grupos armados que atacam a região.

A reabertura foi permitida depois de os líderes das respetivas mesquitas se terem distanciado dos movimentos radicais suspeitos, de acordo com a edição de hoje do jornal Notícias.

A vila de Mocímboa da Praia e povoações do meio rural da província de Cabo Delgado, no norte de Moçambique, têm sido alvo de ataques de grupos armados desde Outubro de 2017, causando um número indeterminado de mortes e deslocados. Dez pessoas foram decapitadas no Domingo, depois de terem sido intercetadas em duas aldeias remotas, sem eletricidade, nem infraestruturas.

Um estudo divulgado em Maio, em Maputo, aponta a existência de redes de comércio ilegal na região e a movimentação de grupos radicais islâmicos, oriundos de países a norte, como algumas das raízes da violência. Diversos investimentos estão a avançar na província para exploração de gás natural dentro de cinco a seis anos, no mar e em terra, com o envolvimento de algumas das grandes petrolíferas mundiais

Últimas Notícias