loader

Empresários franceses chamados a investir no país

Empresários franceses nos sectores de energia e águas, transportes públicos, saneamento básico e petróleos, no Fórum Empresarial que tem lugar em Luanda, foram convidados a investir em Angola

Texto de: Patrícia de Oliveira

No acto de abertura, o ministro da Energia e Águas, João Baptista Borges, revelou que o fórum tem lugar uma semana após a visita do Chefe de Estado, João Lourenço, à França, marcada por resultados positivos, com destaque para parecerias estratégicas que vão estimular o desenvolvimento no país.

“O Plano de Desenvolvimento Eléctrico circunscreve-se ao plano do governo 2018/ 2022. Este programa foi sufragado nas últimas eleições de Agosto, que tem como meta central o sector da eletricidade na perspectiva do “au-mento da taxa de electrificação do país”, recordou.

Afirma que o aumento de 35% para 50 % na taxa de electrificação significa efectuar um milhão de ligações domici-liares em todo o país, alargar a capacidade actual de energia de 3 mil MegaWatts para 7 mil e 500, incorporando- lhe as novas energias renováveis, com 500 MegaWatts.

“Com o crescimento populacional aumentou a necessidade de consumo de energia. No actual cenário, o défice tem condicionado não só o atendimento das necessidades essenciais, assim como da indústria”, reconheceu João Baptista Borges.

O governante revelou que no programa do governo foi estabelecido que, até 2022, o grande objectivo é estender o abastecimento de água potável até 85% da população que vive nas grandes cidades e 80 % das populações que vivem em áreas rurais, com realce para três programas, nomeadamente ampliação do acesso ao fornecimento de água potável às grandes capitais, sistema de capacitação, reabilitação das infraestruturas e expansão das redes.

“Temos interesse em discutir parcerias que potenciem o aumento da qualidade e da quantidade de água para abastecer a população”. Por sua vez, o governador de Luanda, Adriano Mendes de Carvalho, disse que o encontro com os empresários franceses tem lugar num momento importante.

“A cidade capital produz 8 mil toneladas de lixo e há mecanismos para transformar estes resíduos sólidos em energia eléctrica”, declarou o responsável. Na ocasião, Mendes de Carvalho apelou aos empresários franceses a iluminarem Luanda tal como as cidades de Paris e de Toulon. “Quero ter Luanda iluminada como Paris e Toulon”, disse.

O empresário francês ligado ao sector dos transportes públicos, Alain Descamps, advoga que para trabalhar com transportes públicos, são necessários autocarros novos, manutenção, formação e marketing em prazos determinados.

O consultor de transportes públicos referiu que a empresa que dirige já trabalhou em dez países espalhados pelo mundo, contribuindo assim para a melhoria na prestação das suas operadoras de transportes. Interrogado se em Luanda é difícil melhorar os serviços de transportes públicos, respondeu positivamente, desde que se aposte na organização administrativa e modo de trabalhar.

“O desenvolvimento nos transportes públicos é benéfico no desenvolvimento económico de um país, pelo facto de atrair mais passageiros”, sublinhou.

Últimas Notícias