Ministério da Educação ordena encerramento da Escola Americana

O director do Gabinete Provincial da Educação de Luanda, Narciso Benedito, disse que a instituição funcionava de forma ilegal e prometeu responsabilizar os responsáveis. Os alunos deverão ser transferidos para outras escolas

Texto de: Milton Manaça

O Ministério da Educação (MED) determinou o encerramento da Escola Americana de Angola (American School of Angola), em funcionamento desde o ano passado, por alegadamente operar de forma ilegal, de acordo com um despacho do Ministério, a que este jornal teve acesso.

Segundo o MED, constatou-se que não existe nenhum registo de processo de legalização referente ao estabelecimento de ensino em causa, depois de se ter auscultado o Gabinete Provincial da Educação de Luanda e a Direcção Municipal da Educação de Belas, concretamente as áreas do ensino particular.

Em entrevista a OPAÍS, o director do Gabinete de Educação de Luanda, Narciso Benedito, disse que em Fevereiro do corrente ano, uma equipa de inspectores dirigiu-se à American School of Angola para fazer uma vistoria, em face das sucessivas publicidades que a mesma vem fazendo.

Entretanto, quando solicitadas para entregarem os documentos de legalização, os funcionários que se encontravam no local não os tinham em sua posse. Narciso Benedito disse que a direcção da American School of Angola foi intimada a comparecer na direcção de Educação de Luanda e no MED a fim de esclarecer as razões do funcionamento ilegal, mas nenhum membro da instituição compareceu.

Ainda assim, no mês de Abril fez-se outra visita, mas para a surpresa dos inspectores de Luanda, nos locais em que foram encontrados os alunos na primeira visita já não estava ninguém. Segundo Narciso Bene-dito, os inspectores não encontraram ninguém disponível para dar explicações.

“A Escola Americana foi encerrada porque estava ilegal. Não tinha nenhum processo de legalização no gabinete provincial, nem no Ministério da Educação”, disse. Direcção pode ser responsabilizada Narciso Benedito disse que nenhuma instituição de ensino está autorizada a abrir sem seguir os requisitos exigidos por lei.

Questionado por OPAÍS se os responsáveis pela instituição serão responsabilizadas, o responsável pela educação na província de Luanda revelou que se desconhece o paradeiro dos responsáveis da American School of Angola. “Esses responsáveis estão em paradeiro incerto e não se consegue contactá-los.

Nós aguardamos que eles sejam encontrados e assumam a responsabilidade pelo acto ilegal cometido”, rematou. O despacho da Ministra da Educação, datado a 23 de Maio de 2018, orienta os pais e encarregados de educação que têm os filhos matriculados nesta instituição a efectuarem a transferência para outras instituições devidamente legalizadas.

Importa referir que a cerimónia de inauguração da instituição, com capacidade para 450 alunos, realizada em Setembro de 2017, em Talatona, foi testemunhada pelo embaixador de Angola nos Estados Unidos da América, Agostinho Tavares.

O diplomata disse à imprensa, na ocasião, estar convicto de que esta iniciativa trará benefícios ao país. De acordo com os promotores da iniciativa, segundo a publicidade que passa em alguns canais radiofónicos, leccionam do primeiro ciclo ao ensino secundário, com um currículo cem por cento americano.

Dizem ainda que a escola tem parcerias com 13 universidades dos Estados Unidos da América, estabelece uma grelha curricular composta por 150 disciplinas. O ensino médio é leccionado, tal como nos 52 estados norte-americanos. E, por outro lado, proporcionam aos estudantes, depois do médio na escola americana em Angola, a possibilidade de ingressarem numa das 13 universidades americanas.