Fotógrafo da AFP é ferido por tiro na Faixa de Gaza

Um fotógrafo palestino da Agence France-Presse foi baleado na perna nesta Sexta-feira depois de o Exército israelita abrir fogo contra manifestantes durante confrontos na Faixa de Gaza, indicaram o jornalista e o Ministério da Saúde local.

Três palestinianos também morreram na Faixa de Gaza por disparos israeitas, de acordo com o Ministério da Saúde do território. Mohammed Abed al-Baba, que trabalha para a AFP desde 2000, foi atingido abaixo do joelho quando estava a cerca de 200 metros da fronteira, a Leste de Jabalyia (norte), usando um colete com a inscrição “Press” e um capacete para a sua protecção, testemunhou o fotógrafo. O porta-voz do Ministério da Saúde em Gaza, Ashraf al-Qodra, assegurou que ele foi ferido por um tiro israelita. O fotógrafo foi hospitalizado em Jabaliya e não corre risco de morte.

O exército israelita ainda não respondeu à AFP sobre os factos. Manifestantes palestinianos entraram em confronto com soldados israelitas ao longo da fronteira entre Gaza e Israel. Mohammed Abed al- Baba foi baleado com um tiro que partiu das linhas israelitas quando se aproximou de um homem ferido para fotografá-lo. A Faixa de Gaza, sob bloqueio israelitas e egípcio, é palco desde 30 de Março de um movimento de contestação acompanhado de confrontos ao longo da fronteira. Pelo menos três palestinianos foram mortos por tiros israelitas nesta Sexta-feira, segundo o Ministério da Saúde de Gaza.

A mobilização de Gaza defende o direito de retorno dos palestinianos às terras de onde fugiram ou foram expulsos durante a criação do Estado de Israel em 1948. Também denuncia o bloqueio de Gaza. Israel afirma que essa mobilização serve como cobertura para o movimento islâmico Hamas, que governa o enclave, na sua tentativa de se infiltrar e atacar soldados ou civis. Pelo menos 128 palestinos foram mortos por tiros israelitas desde 30 de Março. Nenhum israelita foi morto. Mohammed Abed cobriu as três guerras entre Israel e o Hamas desde 2008.