Carta do leitor: A Incrível ENDE

Caro director, meus senhores, escrevo para este jornal porque, pelos vistos, falando directamente com a ENDE é o mesmo que dar murros no morro do Moco e esperar que ele se desloque. Moro nas casas da Juventude de Camama, perto do condomínio BPC e do Bom Sossego.

POR: Walter Costa Ramos

Naqueles lados estão a instalar uns novos postes de condução de canos eléctricos que, ao que nos disseram, servirão electricidade às instalações da TPA em Camama. Até aqui tudo bem, apesar de os cabos irem passar sobre casas que nem electricidade da rede pública têm. O problema é que estamos todos com receio de irmos ficar, em breve, sem electricidade e também sem água. Todos. Porque alguns já beneficiam destes dois serviços. Acontece que a empresa que está a instalar os postes e os cabos resolveu enterrar os postes de betão exactamente encima da conduta de água. Portanto, com a pressão que os postes farão até estarem devidamente assentados, o mais normal é o risco de danificarem os tubos de água e também as instalações subterrâneas para a cablagem de telefone, fibra óptica, etc., que lá foram postas, mas ainda sem qualquer uso. Os moradores já alertaram, falaram com os engenheiros da ENDE, com os responsáveis da zona, mas até agora nada fazem e a obra está quase concluída. Agora entendo a razão de se ter deixado vandalizar os PT, postes de iluminação e toda a cablagem anteriormente instalados, é que sempre dá para fazer aprovar mais um orçamento e com as devidas comissões. Agora só esperam que os tubos rebentem, os postes caiam e depois um novo orçamento. As consequências para os moradores não interessam, os direitos e protecção destes não têm importância para os bolsos de alguns.