Exposição itinerante “A Língua Portuguesa em Nós” é inaugurada hoje no CCBA

A mostra ficará aberta até ao mês de Agosto, vai ilustrar o processo de evolução da língua portuguesa no Brasil,terá um espaço cultural para declamar poemas, para a música e o teatro, e depôr sobre a desenvoltura da Língua Portuguesa em Angola

Texto de: Antõnia Gonçalo

Será inaugurada hoje, às 18 horas, no Centro Cultural Brasil Angola (CCBA), em Luanda, a exposição itinerante denominada “A língua portuguesa em nós”, uma iniciativa do ministério das Relações Exteriores do Brasil. A mostra itinerante que também está patente na cidade da- Praia, em Cabo Verde, estará aberta em Luanda até ao mês de Agosto e vai ilustrar o processo de evolução do português no Brasil, desde o latim até ao português moderno,a sua escrita e o modo de falar.

A exposição será ainda composta por vídeos que abordam a culinária brasileira e as suas influências culturais, uma área reservada à leitura composta por obras de autores da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), um espaço cultural para a declamação de poesia, música e teatro, bem como depoimentos sobre a desenvoltura da Língua Portuguesa em Angola, a serem mostradas no final da exposição.

Segundo o embaixador do Brasil em Angola, Paulino Franco de Carvalho Neto, a iniciativa visa registar o modo de falar e escrever dos angolanos, de maneira a serem guardados em imagens e sons, para posteriormente constar no acervo do Museu de Língua Portuguesa, na cidade de São Paulo (Brasil).

“Convido a população angolana a visitar a exposição e a darem os seus depoimentos, porque para nós é muito importante essa informação, que será uma rica contribuição na variante da Língua Portuguesa e deixará o acervo do museu mais rico, abrangente e significativo”, apontou.

Evolução Por sua vez, a coordenadora da exposição, Marina Toledo, considerou que a forma como cada um dos países de língua portuguesa se apropriou da língua, e o modo como a veiculam e transformam, decorre da cultura e da dinâmica de cada país. Para a coordenadora, enquanto membros da CPLP, torna- se necessário fortalecer a Língua Portuguesa em cada pa-ís, com base nas suas culturas para fortalecer a identidade de cada povo.

“Quanto mais nos fortalecermos como uma comunidade dos países que falam a língua portuguesa, melhor será para nós que fazemos parte desta comunidade perante o mundo, em termos económico e político”, frisou.

Emprego temporário

O embaixador do Brasil em Angola avançou que a montagem da exposição contou com a participação de mais de 100 jovens angolanos, tendo proporcionado ainda emprego directo e indirecto a mais de 30 estudantes que servirão como mediadores das visitas educativas ao longo da exposição.

Segundo Paulino Franco de Carvalho Neto, para além do seu conteúdo inovador, a exposição é também resultante do compromisso assumido com o ministério da Cultura de Angola, com a Embaixada do Brasil em Luanda, que visa apoiar na formação de quadros locais para trabalhar na economia criativa.

“Os postos de trabalho são temporários, sem dúvida, mas em atenção aos nossos interesses, como actores da diplomacia cultural que significa partilha de conhecimento na indústria criativa”, observou o embaixador.

O Museu

O Museu da Língua Portuguesa é o primeiro no mundo dedicado a um idioma inaugurado em 2006 na cidade de São Paulo, no Brasil. O espaço actualmente encontra-se em reconstrução devido a um incendio ocorrido em 2015.

A mostra resulta do compromisso da presidência temporária brasileira na CPLP, tida como uma oportunidade de perceber e celebrar as diferenças e as semelhanças entre as diversas variantes linguísticas. Deste modo, em Agosto a exposição itinerante deverá rumar em Moçambique