Editorial: A premissa da ética

“O cumprimento escrupuloso da ética e da deontologia profissional, com base no sigilo e na confidencialidade dos assuntos do Estado, deve nortear o quotidiano de todo funcionário público, começado pelos titulares de cargos de direcção e chefia”, quem o diz é o governador do Huambo, João Baptista Kussumua, e tem toda a razão. A ética é coisa que por estes lados anda escondida, sobretudo porque ninguém a quer usar na corrida pela satisfação pessoal ou mesmo na destruição de outrem. A utilidade da ética, porém, não se circunscreve ao espaço público, ou estatal, deve ser cultivada em cada cidadão, porque apenas cidadãos educados na ética serão capazes de formar um Estado regido pela ética, em todos os campos, incluindo nos negócios e nos relacionamentos pessoais. A ética é também uma premissa para a felicidade.