Perto de 200 desaparecidos em naufrágio na Indonésia

Pelo menos 192 pessoas desaparecidas devido a erupção vulcânica na Guatemala As autoridades indonésias suspeitam que estejam desparecidas perto de 200 pessoas na sequência do naufrágio de um ‘ferry’ na segunda-feira no lago Toba, na zona norte da ilha de Samatra.

“Muitas pessoas estavam na embarcação sem bilhete”, sublinhou o diretor da Agência Nacional de Catástrofes, Muhammad Syaugi, enquanto a polícia previu que 178 pessoas possam estar desaparecidas, com base em declarações de familiares. A agência indonésia admite agora que o número de pessoas desaparecidas, em consequência do ‘ferry’ que se virou a mais de 1.300 quilómetros a nordeste da capital, Jacarta, seja o triplo das estimativas.

Na terça-feira, as autoridades referiram que 65 passageiros do ‘ferry’ estavam desaparecidos entre as 80 que seguiam a bordo de um navio que tinha a capacidade de 43 passageiros. Caso se confirme o número de vítimas, este naufrágio, cujas causas não são ainda conhecidas, será uma das piores catástrofes marítimas ocorridas no vasto arquipélago de 1.700 ilhas. As autoridades locais – que colocaram no local 400 socorristas na procura de corpos – descobriram que a embarcação estava a operar ilegalmente no lago Toba, uma região turística. Horas depois do acidente, o porta-voz da agência, Sutopo Purwo Nugroho, afirmou que “seis passageiros foram socorridos, um morreu”.

A Indonésia, país de maioria muçulmana, está a celebrar desde sexta-feira a festa de Id al-Fitr, que assinala o fim do mês de jejum do Ramadão — uma ocasião em que milhões de pessoas tiram férias, e o lago Toba é um destino turístico popular. Este naufrágio é o mais recente de uma série de acidentes marítimos mortais no vasto arquipélago indonésio, cujas ligações por barco, entre as suas cerca de 17.000 ilhas, padecem de falta de condições de segurança. Na semana passada, um barco tradicional de madeira naufragou com 40 pessoas a bordo, perto da ilha de Sulawesi, fazendo mais de dez mortos.