loader

Parlamentar apela por mais atenção à situação socioeconómica de Angola

Angola acolhe a 43ª Assembleia Plenária do Fórum Parlamentar da SADC, que decorre desde 20 a 30 de Junho, sob o lema “O Papel do Parlamento no Aprofundamento da Integração Económica da SADC através da Industrialização”

POR: Neusa Filipe

Relativamente ao lema do Fórum, a deputada do grupo parlamentar da UNITA, Helena Bonguela, ontem, em entrevista a este jornal, referiu que Angola, na qualidade de país anfitrião, deve, fundamentalmente, prestar mais atenção à situação socioeconómico em que o seu povo vive.

A deputada considerou pertinente o lema “O Papel do Parlamento no Aprofundamento da Integração Económica da SADC através da Industrialização”, porém, exortou o Executivo angolano a considerar o nível de desenvolvimento da indústria no país. Helena Bonguela advoga que essa integração industrial só é possível quando se tem em conta os níveis de desenvolvimento agrícola e industrial do próprio país.

Afirmou que no caso de Angola seria bom que se questionasse a quantidade de fábricas e de indústrias existentes no país, que, em sua opinião, são ainda muito poucas, embora tenha considerado Angola um país potencialmente rico em termos de matérias primas. “É preciso olharmos para a nossa realidade. Será que nós temos condições para contribuir no aprofundamento da integração económica da SADC através da industrialização?

Até agora não temos no país uma indústria têxtil, não temos uma fábrica de medicamentos que sirva para combater a malária, as poucas fábricas que temos são de cerveja, mas estamos a falar em integração industrial”, reparou. Sobre a integração económica da mulher, relativamente ao contributo da mulher no aprofundamento da integração económica da SADC através da industrialização, Helena Bonguela referiu que o maior número de mulheres no país vive em níveis socioeconómicos ainda muito baixos.

Sublinhou que as disparidades no nível de desenvolvimento da mulher angolana em relação às mulheres de outros países que também integram a SADC é notória. A deputada considerou que o grau de formação e de empoderamento da mulher em Angola apresenta índices muito baixos, tendo apelado ao Governo a olhar para este aspecto.

“Temos que nos perguntar quantas mulheres empresárias temos, quantas mulheres temos no quadro do domínio das TIC em Angola. Em termos de comparação com os outros países, ainda estamos aquém”, acrescentou.

A fonte acredita que no país há muitas mulheres com vontade de contribuir para o aprofundamento dessa integração económica, que, porém, não têm condições financeiras para fazê-lo, alegando que as grandes dificuldades do país condicionam o desenvolvimento das mulheres.

Angola preside o Fórum Parlamentar da SADC desde 2016, um mandato que termina no ano em curso. O Fórum Parlamentar da SADC foi criado a 08 de Setembro de 1997, na 17ª Cimeira dos Chefes de Estado e de Governo da Comunidade, particularmente dedicada à promoção dos Direitos Humanos e da Democracia na Região.

Últimas Notícias