loader

Benguela ganha investimentos acima de USD 12 milhões

A província de Benguela ganhou, recentemente, três novos empreendimentos no sector das pescas, num acto presidido pela ministra das Pescas e do Mar, Victória de Barros, na localidade da Caota, município da Baía Farta, que proporcionam mais de 800 empregos novos postos de trabalho directos.

Trata-se da pescaria Famihau, Lda, a primeira inaugurada, com capacidade para produzir 80 toneladas/ dia, um complexo apetrechado com quatro câmaras de congelação de 20 toneladas cada uma, 20 câmaras de conservação de duas mil toneladas cada uma, e duas fábricas de gelo que vão produzir 10 toneladas/dia. A referida unidade ainda integra uma ponte cais e outras facilidades infra-estruturais de apoio, emprega 80 trabalhadores nacionais e três expatriados.

Seguiu-se a inauguração da Pescaria Fuhaui-Atlântico Lda, um investimento na ordem de 12 milhões de USD, dotada para uma produção mensal de mil e 500 toneladas de pescado/dia. Conta com tanques de congelação de 20 toneladas cada uma, e uma câmara de conservação de duas mil toneladas. Conta com 139 trabalhadores, 53 dos quais são mulheres. A terceira unidade inaugurada foi a Pescaria “Guanda Pesca”, a maior na província de Benguela, ocupa uma área de 73 mil metros quadros e está apta para exercer a pesca Industrial, possui uma capacidade para congelar 600 ton/mês de pescado. A unidade criou já acima de 400 postos de trabalho e perspectiva criar outros 600 postos directos e 300 il indirectos. A Guanda Pesca, Lda tem instaladas linhas de processamento com sistema de água refrigerada, oito túneis de congelação com capacidade de 240 toneladas cada uma, duas câmaras para conservar 5 mil toneladas e duas câmaras de produção de gelo com capacidade para 30 toneladas/dia. Futuramente a empresa prevê a instalação de equipamentos para secagem mecânica de peixe e de um novo estaleiro para a manutenção de embarcações, além de uma ponte cais.

Na ocasião, a ministra defendeu o surgimento de parcerias fortes com operadores privados, visando assegurar o desenvolvimento e a modernização da indústria do processamento de pescado. Victória de Barros afirmou que estas parcerias poderão ainda contribuir para a melhoria da produção e em melhores condições higieno-sanitárias, para que se possa reduzir as perdas na fase pós-captura. Segundo a ministra, a implementação destes projectos enquadram- se na política e nas prioridades do Executivo para o desenvolvimento do sector das Pescas e do Mar tendentes a implementar infra-estruturas em terra que vão permitir a captura para descarga e processamento do pescado em condições adequadas, salvaguardando a colocação no mercado de produtos de pescas de qualidade para que garanta a saúde do consumidor e o aumento de oportunidades de emprego, principalmente para a juventude e as mulheres.

Convidou os empresários a actuarem em colaboração com as entidades do sector, nomeadamente, a direcção de infra-estruturas e indústrias, e com o Instituto Nacional de Apoio à Indústria Pesqueira para orientação, assistência técnica e introdução de sistemas de auto controlo e de rentabilidade. “Devemos nos focar e trabalhar pensando não só no abastecimento do mercado local, e também no Regional e Internacional, sobretudo para os países vizinhos, apontados como potenciais consumidores de peixe congelado, como também poderão absorver as conservas”, sublinhou. A governante alertou a classe empresarial a prestar uma particular atenção à produção de conservas neste pólo, tendo em conta as condições e incentivou a aproveitar esse “nicho de negócio”. Por seu lado, o governador provincial, Rui Falcão, afirmou que Benguela ganhou mais três unidades da indústria de pesca que vão contribuir para o desenvolvimento da economia local e do país, fazendo crescer a localidade piscatória da Caota. Salientou que estas unidades garantem mais de 800 empregos, tendo apontando o trabalho sério e responsável, como via a seguir para que todos os actores, cada um ao seu nível, respeitem as regras.

Últimas Notícias