Tyipinge defende construção de barragens para mitigar efeitos da seca

O governador provincial da Huíla, João Marcelino Typinge, defendeu ontem, no Lubango, a necessidade de se construir barragens ao longo dos rios que atravessam as províncias do Cunene e da Huíla para mitigar os efeitos da seca que ciclicamente tem assolado a região Sul do país

POR: João Katombela, na Huíla

João Marcelino Tyipinge apresentou tal proposta ao Presidente da República, João Lourenço, durante a sua intervenção na sétima reunião ordinária da Comissão Económica do Conselho de Ministros, realizada na província da Huíla, no âmbito da descentralização deste conselho. Na ocasião, o governante afirmou que esta é uma das acções que podem servir para aproveitar de forma racional o potencial hídrico que a região Sul ostenta. No entender do governador, as medidas que têm sido tomadas pela comissão interministerial sobre a seca são insuficientes, por não terem conseguido proceder a uma avaliação correcta dos programas locais dessas regiões.

“Umas das medidas que achamos que seria mais consistente a é de continuar a recuperar as chimpacas e a construção de novas, mas as medidas mais importantes passariam pela construção de represas e barragens de média dimensão ao longo dos rios Caculuvar, Bafu, Cuvelai e outros, que teriam várias funções, como dar água para o gado e água tratada para as populações”, disse. De acordo com João Tyipinge, a construção destas represas e barragens de pequena dimensão vai também contribuir para o processo de alavancamento da agricultura. Informou o Presidente da República sobre as dificuldades que a província enfrenta no sector agro-pecuário, no que toca a distribuição de vacinas para cobrir o efectivo ganadeiro.

“O outro constrangimento grave é o abastecimento irregular de vacinas para o gado. Esta região possui o maior número de gado bovino e caprino do país e a ausência de vacinas pode constituir uma catástrofe” afirmou. Durante a sua intervenção, destacou ainda o envolvimento do Presidente da República na materialização de vários projectos, com destaque para as obras de reabilitação e construção de vários equipamentos sociais na província. Na sequência, o governante sublinhou alguns avanços que se registam na província, concretamente nos domínios da energia e águas, embora em quantidade ainda indesejável.

João Lourenço na Huíla

O Presidente da República, João Lourenço, orientou a reunião da Comissão Económica do Conselho de Ministros. João Lourenço chegou ao Lubango na manhã desta Sextafeira. A aeronave presidencial aterrou no Aeroporto Internacional da Mukanka quando eram 9 horas e 29 minutos. No aeroporto do Lubango, João Manuel Gonçalves Lourenço recebeu honras militares, na presença de ministros de Estado, ministros, secretários de Estado e de membros do Governo Provincial, com destaque para o governador local, João Marcelino Tyipinge. De lá, João Lourenço, rumou para a sede do Governo Provincial, onde orientou a reunião do Conselho de Ministros. No período da tarde, João Lourenço visitou algumas obras em curso na cidade, bem como o Hospital Central do Lubango, para se inteirar do seu funcionamento.

Comissão Económica cria Gabinete Central do Censo Agro-pecuário e Pescas

A Comissão Económica do Conselho de Ministros criou ontem, na sua sétima sessão ordinária, o Gabinete Central do Censo agropecuário e Pescas. Segundo comunicado final da Reunião, decorrida na sede do Governo Provincial da Huíla, sob orientação do Presidente da República, João Lourenço, o referido gabinete é um órgão ad hoc do Instituto Nacional de Estatística e dos gabinetes de estudos, planeamento e estatísticas dos Ministérios da Agricultura e Florestas e das Pescas e do Mar, de natureza interdisciplinar.

Terá como funções planificar, preparar, recolher, tratar, analisar e divulgar dados estatísticos resultantes do recenseamento agro-pecuário e pescas, a partir de 2019, que permitam a realização de estudos ou pesquisa por amostragem e que contribuam para a produção de um sistema integrado de estatísticas agro-pecuárias e das pescas. Nesta sessão, a Comissão apreciou um memorando sobre a execução do Programa de Investimento Público nas províncias da Huíla, Namibe e Cunene, evidenciando as principais acções realizadas, com particular realce para os projectos de âmbito social, o grau de execução física e financeira dos projectos, os constrangimentos verificados, as propostas de solução, bem como os prazos para a sua conclusão.

Neste contexto, foi recomendado o reforço dos mecanismos de fiscalização e adopção de medidas de responsabilização dos sectores que não actualizem os dados dos projectos no sistema Integrado dos Projectos de Investimento Público. A Comissão Económica apreciou um diploma que estabelece as normas a observar na realização do recenseamento agro-pecuário e pescas que terá lugar durante os anos 2018 e 2019 em todo o território nacional, permitindo ao Estado angolano a obtenção de dados que lhe possibilitem conhecer com profundidade as estatísticas estruturais ou de base dos sectores da agricultura e das pescas, com vista a uma programação mais eficiente do desenvolvimento socioeconomico do país.

Durante a sessão, a Comissão Económica analisou os relatórios sobre o desempenho dos sectores mineiro e petrolífero, sobre a implementação das medidas de dinamização da actividade petrolífera e gás natural e o relatório das actividades de refinação e distribuição de combustíveis. No domínio das finanças públicas, a Comissão Económica efectuou o balanço de execução do plano de caixa do Tesouro Nacional referente ao mês de Maio de 2018 e aprovou a programação financeira do tesouro para o III trimestre e o plano de caixa de tesouro para o mês de Julho de 2018.