loader

MPLA e PCP conversam sobre reforço da cooperação

Delegações do MPLA e do Partido Comunista Português (PCP) estiveram ontem, em Luanda, em conversações visando o reforço dos laços de cooperação e de amizade que os unem

POR: José Dias

A troca de ideias e de informações sobre a situação social, política e social em Angola e Portugal marcou a audiência concedida ontem, na sede do MPLA, pelo seu secretário- geral, Paulo Kassoma, ao membro do Secretariado da Comissão Política do Comité Central do Partido Comunista Português (PCP), José Capucho, em visita ao país desde Sábado último. À convite do MPLA, José Capucho realiza uma visita oficial de trabalho de cinco dias a Angola, no quadro dos tradicionais laços de amizade e de cooperação existentes entre os dois partidos. José Capucho, que foi antes recebido pelo secretário para a Política Social do MPLA, Mário António, disse no final das audiências que a visita teve por fito a troca de informações sobre a situação nos respectivos países e regiões e a avaliação de possibilidades do aprofundamento e da diversificação das relações de cooperação. “Esta nossa visita a Angola a convite do MPLA insere- se nas naturais relações de amizade e de cooperação históricas entre o PCP e o MPLA”, afirmou.

O político português acrescentou que a vinda a Angola, a convite do MPLA, servirá para a troca de opiniões e análise da situação dos respectivos países. Tem igualmente por fito inteirar-se, directamente, das medidas e direcções de trabalho a serem implementadas sob a direcção do MPLA e pelo Governo angolano, visando o desenvolvimento económico, social e a melhoria do bem-estar do povo angolano, bem como dos trabalhos até o VII Congresso Extraordinário em Setembro. José Capucho lembrou que as relações históricas entre o PCP e o MPLA vêm desde antes do 25 de Abril, contra o fascismo português, na solidariedade na luta de libertação e pela paz e reconciliação que foi desenvolvida após a Independência a 11 de Novembro de 1975. “As relações de amizade entre o Partido Comunista Português e o MPLA são as melhores que podem existir.

O PCP sempre foi solidário e sempre teve uma relação de profunda amizade e de cooperação com o MPLA, portanto, o MPLA é o nosso partido irmão em Angola”, frisou. Segundo a fonte, a relação de amizade e de cooperação com o MPLA insere-se também na troca de experiências, tendo em conta as realidades diferentes nos dois países, em que os aspectos autárquicos são tidos em conta, uma vez que Angola realizará pela primeira vez eleições autárquicas em 2020. Acrescentou que as bases de cooperação entre os dois partidos já existentes continuarão a ser aprofundadas do ponto de vista económico e social e troca de pontos de vista para a intervenção em cada um dos países. “Vamos esclarecendo o povo português daquilo que se vai passando em Angola, qual é a política que o MPLA vai desenvolver e também transmitir as apreciações que temos do nosso país e em relação a Europa, para que o MPLA possa também esclarecer o seu próprio partido e o povo angolano”, rematou.

Quanto ao processo de transição em curso na liderança do MPLA que se vai efectivar aquando da realização do VII Congresso Extraordinário agendado para Setembro, considerou-a normal, estando a ser conduzidas de forma natural e exemplar. Durante a sua estadia na capital angolana, a delegação do PCP, chefiada pelo seu membro do Secretariado e da Comissão Política do Comité Central, José Capucho, vai manter, também, encontros com as direcções da JMPLA e da OMA. O programa de trabalho da comitiva lusa, que regressará à Lisboa na próxima Quarta-feira, 18, inclui visitas a locais históricos da cidade de Luanda, nomeadamente o Museu da Moeda. No quadro das excelentes relações entre os dois partidos, há vários anos que o MPLA marca presença nas Festas do Avante, organizadas pelo PCP, em Portugal, que acontecem nos primeiros dias de cada mês de Setembro e que se transformaram num importante palco de comunicação para as diferentes forças políticas que nelas participam. O último encontro entre delegações do MPLA e do PCP ocorreu em Junho de 2016, igualmente na cidade de Luanda.

Últimas Notícias